Avaliação da Revista Proteste 2014 – tintos baratos que não decepcionam

 

São Paulo-20140720-02998

“Como fizemos o teste: a revista Proteste (n° 137 – Julho/2014) levou para o laboratório cinquenta marcas de vinhos tintos nacionais, chilenos, argentinos, portugueses, franceses e italianos, com preços médios entre R$ 10 e R$ 60, para verificar qualidade e rotulagem.

Rotulagem

Verificamos a qualidade e veracidades das informações. No parâmetro qualidade, observamos se constavam todas as informações relevantes para o consumidor.

Análise Sensorial

Consumidores e Sommeliers provaram os vinhos e deram suas notas. Aos especialistas, coube a tarefa de buscar defeitos nos produtos. Para os consumidores, foi servida uma única vez, com temperatura em torno de 17°C. Foram oferecidos água mineral e pão para limpeza do palato entre uma amostra e outra.

 São Paulo-20140720-02997

Por que levar os vinhos ao laboratório?

Se o peso principal de nosso teste com vinhos tintos é a análise sensorial, por que levamos a bebida para o laboratório? Porque é lá que atestamos a qualidade dos vinhos, conferindo se as etapas de produção foram feitas corretamente e se há ou não adição de ingredientes desnecessários. Entenda as principais análises:

1.- Acidez – tem papel importante não só no aroma e sabor dos vinhos, mas também na sua conservação. A acidez total é a soma da acidez fixa e da acidez volátil. A primeira é responsável pela conservação dos aromas, por dar corpo e frescura ao vinho e por ajudar no envelhecimento. Já a acidez volátil, se em excesso, prejudica a qualidade do vinho.

2.- Dióxido de Enxofre – é fundamental para a conservação do vinho, para evitar que vire vinagre, mas só se usado de modo racional. Em quantidades excessivas, o vinho adquire odor e sabor desagradáveis. Já em quantidade insuficiente, o efeito conservante se perde.

3.- Ácido Sórbico – é utilizado devido às suas propriedades fungicidas, impedindo que as leveduras se multipliquem  e fermentem os açúcares. Há um limite permitindo por lei e as quantidades encontradas durante o teste são baixas demais, o que mostra que não têm propriedade antimicrobiana. Por isso, julgamos seu uso desnecessário.

4.- Fermentação Maloláctica – necessária nos vinhos tintos por diminuir a acidez e conferir maciez e equilíbrio, além de contribuir para a complexidade aromática da bebida. Também auxilia a regular a qualidade, uma vez que reduz o excesso de acidez presente nos vinhos de safras de má qualidade “.

Os vinhos (do total de 50, publicamos apenas os 10 primeiros na ordem de pontuação, alguns “destaques” que são marcas bem conhecidas do público e, finalmente, os vinhos que tiveram o pior desempenho no teste):

agua-e-vinho 2

1° lugar – Santa Rita 120 Cabernet Sauvignon 2012 – Chile – preço: entre R$ 25,90 e 38,00 – Avaliação: 90/100 pts. – DESTAQUE DA MATÉRIA

2° lugar – Aurora Merlot 2012 – Brasil – preço: entre R$ 14,80 e 31,90 – Avaliação: 88/100 pts.

3° lugar – Barton & Guestier Reserve Cabernet Sauvignon 2012 – França – preço: entre R$ 37,90 e 52,90 – Avaliação: 88/100 pts.

4° lugar – Santa Helena Reservado Cabernet Sauvignon 2012 – Chile – preço: entre R$ 17,41 e 39,99 – Avaliação: 88/100 pts.

5° lugar – Benjamin Nieto Senetiner  Cabernet Sauvignon 2013 – Argentina – preço: entre R$ 15,50 e 38,00 – Avaliação: 87/100 pts.

6° lugar – Trivento Reserve Malbec 2012 – Argentina – preço: entre  R$ 21,90 e 44,98 – Avaliação: 87/100 pts.

7° lugar – Santa Carolina Cachapoal Estate Carménère Sauvignon 2011 – Chile – preço: entre R$ 16,90 e 40,00 – Avaliação: 87/100 pts.

8° lugar – Santa Julia Malbec 2012 – Argentina – preço: entre R$ 18,90 e 41,90 – Avaliação: 85/100 pts.

9° lugar – Trio Reserva Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Shiraz 2010 – Chile – preço: entre R$ 36,90 e 67,49 – Avaliação: 85/100 pts.

10° lugar – 35 Sur Cabernet Sauvignon 2011 – Chile – preço: entre R$ 31,29 e 48,00 – Avaliação: 84/100 pts.

15° lugar – Grandjó 2011 – Portugal – preço: entre  R$ 30,90 e 40,00 – Avaliação: 84/100 pts.

20° lugar – Salton Classic Reserva Especial Cabernet Sauvignon 2012  – preço: entre R$ 10,90 e 20,99 – Avaliação: 83/100 pts.  – DESTAQUE DA MATÉRIA

Outros destaques –

31° lugar – Indomita Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2012 – Chile – preço: entre R$ 22,90 e 52,00 – Avaliação: 81/100 pts.

32° lugar – Porca de Murça Douro 2012 – Portugal – preço: entre R$ 19,80 e 35,90 – Avaliação: 81/100 pts.

Os últimos lugares –

45° lugar – Miolo Reserva Cabernet Sauvignon e Merlot 2011 – Brasil – preço: entre R$ 17,89 e 42,90 – Avaliação: 77/100 pts.

46° lugar – Ventisquero Cabernet Sauvignon 2012 – Chile – preço: entre R$ 22,60 e 49,00 – Avaliação: 77/100 pts.

47° lugar – Anakena Pinot Noir 2012 – Chile – preço: entre R$ 35,19 e 49,80 – Avaliação: 76/100 pts.

48° lugar – Miolo Reserva Merlot 2012 – Brasil – preço: entre R$ 17,89 e 42,90 – Avaliação: 75/100 pts.

49° lugar – Luis Felipe Edwards Cabernet Sauvignon 2011 – Chile – preço: entre R$ 17,99 e 30,90 – Avaliação: 74/100 pts.

50° lugar – Almadén Merlot 2013 – Brasil – preço: entre R$ 9,90 e 22,00 – Avaliação: 73/100 pts.

24nhhdi1.jpg

 

ATENÇÃO:  FICA EXPRESSAMENTE PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA MATÉRIA SEM AUTORIZAÇÃO, UMA VEZ QUE A MESMA FOI PARCIALMENTE TRANSCRITA DA REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PROTESTE, EIS QUE AINDA NÃO ESTÁ DISPONÍVEL NO PORTAL DA REFERIDA ASSOCIAÇÃO.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *