O pódio da esquerda para a direita o 1°, 2° e 3° lugares respectivamente
O pódio da esquerda para a direita o 1°, 2° e 3° lugares respectivamente

 

A Confraria Esvaziando a Adega reuniu-se mais uma vez no mês de agosto restaurante Zeffiro para degustar vinhos produzidos na Toscana – Itália. Estiveram presentes além deste escriba, Lucas, Clóvis, José Luiz, Romeu e André.  A seguir a relação dos vinhos degustados:

Mantellassi “Le Sentinelle” Morellino di Scansano Riserva 2005 – desclassificado (rolha)

Chianti Clássico Straccali DOCG 2008 –

Brancaia “Tre” IGT 2008 –

I Balzini Green Label IGT 2008 –

Roberto Cipresso “Pigreco” Lotto Vino di Tavola 2005 –

Camigliano Rosso di Montalcino DOC 2003 –

Fontodi Chianti Classico 2004 – 

Maremma - Toscana

 

A seguir a descrição e avaliação dos vinhos na ordem decrescente:

Mantellassi “Le Sentinelle” Morellino di Scansano Riserva 2005 – Álcool: 14% – Região: Maremma/Magliano in Toscana – importador: Portuscale – Variedades: Alicante e Sangiovese (15%) – preço: R$ 80 (promoção evino.com.br) – vinte meses em barricas francesas adicionados de seis meses na garrafa – desclassificado (rolha) –

Chianti Clássico Straccali DOCG 2008 – álcool: 13% – uvas: Sangiovese (90%), Canaiolo (5%) e Merlot (5%) – preço: R$ 86,25 – aqui já temos um Chianti Clássico porque este vinho ostenta o selo do Consorzio del Vino Chianti Classico “Gallo Nero” e na taça essa expectativa foi confirmada. A cor não é muito intensa, com reflexo granada. Os aromas são típicos, com notas terrosas sobre um toque herbáceo com boa sustentação na taça. No paladar sua entrada revela um vinho de taninos macios, sedosos, álcool generoso sem incomodar e a fruta coexistindo com a madeira. Corpo pleno, final persistente.

20140809_145210_640x360

Mantellassi “Querciolaia” 2005 – Álcool: 14,5% – Região: Maremma/Magliano in Toscana – importador: Portuscale – Variedade: Alicante – preço: de R$ 160 por R$ 55,90 (promoção evino.com.br) – Vermelho-rubi violáceo intenso com reflexo granada. No nariz é um vinho bastante complexo, com notas de musgo, folhas de tabaco, algo terroso sobre um fundo mineral. Na boca subscreve o olfato com paladar intenso, taninos macios, fruta e madeira integradas, acidez equilibrada. Vinho no auge da evolução.

20140809_144926 (1)_640x360

Brancaia “Tre” IGT 2008 – Álcool: 13,5% – Variedades: Sangiovese (80%), Cabernet Sauvignon e Merlot (em partes iguais) – Região: Radda in Chianti/Toscana – importador: Grand Cru – preço médio: R$ 85 – violáceo com reflexo granada. Café torrado sobre leve terroso nos aromas. Taninos finos encontram suporte na boa acidez e no álcool integrado. Final um pouco curto, mas é um vinho típico. Esperava mais.

O Green Label exibiu rosca de vidro como vedante e boa relação preço qualidade
O Green Label exibiu rosca de vidro como vedante e boa relação preço qualidade

I Balzini Green Label IGT 2008 – Álcool: 13% – Variedades: Sangiovese (80%) e Mammolo (20%) – Região: Toscana – Importador: Casa Flora – Engarrafado em 11/2009 – Importador atual: World Wine –  violáceo intenso com reflexo granada. Aberto e complexo nos aromas com licor de cassis, fruta madura sobre um toque animal revelando aromas terciários. Na boca taninos macios, acidez promovendo bom frescor e álcool integrado. Um vinho gostoso, de perfil moderno, detentor de relação preço-qualidade.

1407610607_360x480

3° lugar – Roberto Cipresso “Pigreco” Lotto Vino da Tavola 2005 – Álcool: 13,5% – Variedades: Cabernet Sauvignon (40%), Cabernet Franc (30%), Merlot (25%) e Petit Verdot (5%) – Região: Montalcino/Toscana – Preço: R$ 84 importador atual: Inovini – cor púrpura bastante intensa  com reflexo granada, aroma concentrado e marcante, revelando notas de “sous-bois”, estrebaria e couro com ampla sustentação na taça. Na boca é rico, equilibrado, estruturado, com final de boa persistência, sinalizando que ainda suportaria mais alguns anos na garrafa. Avaliação: 89/100 pts.

Garrada adquirida no Carrefour, estava empoeirada, manchada, mas o vinho incrivelmente suportou o "tranco": sinal de qualidade!
Garrada adquirida no Carrefour, estava empoeirada, manchada, mas o vinho incrivelmente suportou o “tranco”: sinal de qualidade!

2° lugar – Camigliano Rosso di Montalcino DOC 2003 – Álcool: 13,5% – Variedade: Sangiovese Grosso – Região: Camigliano/Montalcino/Toscana – Importador: Casa Flora – “Dagli stessi vigneti iscritti all’albo del BRUNELLO DI MONTALCINO, nasce questo grande vino dall aroma fruttatto e pronto ad esse un prolongato invecchiamento. La permanenza di 5-6 mesi in legno e l’affinamento in bottiglia ne esaltano l’aroma e la finezza”. Análise organoléptica: escurão com a borda granada. Aromas complexos com frutas negras, mentol, couro, tudo entrelaçado harmonicamente perfazendo um conjunto sofisticado e elegante. As sensações olfativas foram confirmadas no paladar, onde os taninos finos prevaleceram sobre a acidez e o álcool, consolidando um conjunto de nítida feição gastronômica. Melhor do que muitos Brunellos, este Rosso da casa Camigliano vale o preço (atualmente na casa dos R$ 100). Termina macio e aveludado, com destaque para sua concentração de sabor. Avaliação: 90/100 pts.

O vitorioso da degustação - safra 2004, com no mínimo mias cinco anos de guarda!
O vitorioso da degustação – safra 2004, com no mínimo mais cinco anos de guarda!

1° lugar – Fontodi Chianti Classico 2004 – Álcool: 13,5% – Variedade: Sangiovese – Região: Panzano in Chianti/Toscana – importador: Expand – preço: de R$ 128 por R$ 64 – preço atual: R$ 200,68 (2007 – Vinci) – The estate’s 2004 Chianti Classico shows the pedigree of its superior vintage. A dark ruby, it offers gorgeous aromatics along with plenty of clean, vibrant red cherry fruit and an almost weightless, super-elegant personality. It is not to be missed. Anticipated maturity: 2007-2012. Rating: 90/100 pts. Antonio Galloni – Aqui temos outro Chianti Clássico porque este vinho ostenta o selo do Consorzio del Vino Chianti Classico “Gallo Nero” e na taça essa expectativa foi confirmada. Análise organoléptica: vermelho-rubi com halo granada em formação nas bordas. Aberto e complexos nos aromas intensos e convidativos com sugestões de terra molhada, humus, toques vegetais e animais (couro velho) sobre uma ponta de ameixa. Boca no mesmo diapasão, taninos refinados, acidez típica “pede comida”, álcool integrado, enfim um vinho de excepcional equilíbrio gustativo. Foi unânime na degustação. Final longo, elegante. Avaliação: 91-92/100 pts.+

20140809_141633_640x360

Camigliano Rosso di Montalcino DOC 2003 – Álcool: 13,5% – Variedade: Sangiovese Grosso – Região: Camigliano/Montalcino/Toscana – Importador: Casa Flora – “Dagli stessi vigneti iscritti all’albo del BRUNELLO DI MONTALCINO, nasce questo grande vino dall aroma fruttatto e pronto ad esse un prolongato invecchiamento. La permanenza di 5-6 mesi in legno e l’affinamento in bottiglia ne esaltano l’aroma e la finezza”.

O cava baron de Valls, da importadora Obra Prima, revelou um desempenho surpreendente na flûte!
O cava baron de Valls, da importadora Obra Prima, revelou um desempenho surpreendente na flûte!

Cava Baron de Valls Brut – álcool: 11,5% – variedades: Macabeo e Chardonnay – importador: Obra Prima – preço: R$ 55,80 – Informa a Obra Prima que: “elaborado segundo os cânones do método tradicional ou “champenoise”. Uma vez que o vinho-base tenha sido obtido a partir de uma variedade perfumada como a Macabeo com a combinação de Chardonnay para lhe dar corpo, as garrafas são mantidas na posição horizontal, no chamado “envelhecimento em pilhas”, com o depósito das borras na garrafa”. Análise organoléptica: sedutora cor palha brilhante quase translúcida. Perlage fino e delicado. Nos aromas inicialmente uma nota de leveduras e de pão que depois cedem espaço para intensas notas de fruta madura (abacaxi, marmelo). No paladar sua entrada revelou um borbulhante frutado, com presença de gás carbônico na medida certa dando-lhe vida e movimento. Macio, fresco, com uma surpreendente e deliciosa cremosidade cítrica. Final limpo, mineral. Ótima relação preço-qualidade. Avaliação: 88-89/100 pts.

Os degustadores. No centro a simpática e competente Vera Damaso, do Zeffiro
Os degustadores. No centro a simpática e competente Vera Damaso, do Zeffiro

 

Sobre o Restaurante Zeffiro

Um casarão do final do século 19 abriga a cozinha do Zeffiro Restaurante. O nome é uma homenagem a Zeffiro Lorenzi, o chefe da família que veio da Itália para o Brasil em 1913 e que residiu na casa onde hoje está instalado o restaurante. Superada a tímida entrada, o espaço interno surpreende e os detalhes de uma casa que ainda resiste aos arranha-céus de São Paulo podem ser observados nas grandes janelas, nos batentes, nas portas e nas tesouras de madeira que sustentam o telhado. Paredes de tijolos aparentes e pé direito alto abrigam ambientes espaçosos, com mesas caprichosamente montadas. Músicas selecionadas conferem ao ambiente uma atmosfera envolvente. Decorado com objetos que pertenciam aos antigos proprietários da casa, o restaurante é dividido em salões aconchegantes, que permitem privacidade e convidam a uma agradável refeição. Não são apenas as cores usadas na decoração que trazem lembranças das casas da Toscana, na Itália, os pratos são inspirados na saborosa culinária italiana e algumas das receitas são heranças de família. O cardápio da casa conta com entradas, sopas, risotos, bruschette, saladas e deliciosos pratos com carnes e massas. Entre as opções, Bife Noix, Chuleta, Peixe do dia, Filé Mignon ao molho, Salmão, Cordeiro à portuguesa, Cappelletti da nonna, Tagliarinni e muito mais. Para a sobremesa, frutas frescas, sorvetes, Merengue de frutas com calda, Panna Cotta, entre outras. O Zeffiro Restaurante conta ainda com uma extensa seleção de vinhos, aperitivos, coquetéis, licores, cervejas e destilados. Fonte: Restaurante Zeffiro

20140809_145210_640x360

Sobre a degustação

Pelos rótulos escolhidos o leitor pode ter ideia de que a peleja tenha sido muito disputada, mas não foi bem assim. O Chianti Classico Fontodi 2004 disparou logo na frente e durante toda degustação se manteve vivo, com uma riqueza impressionante de aromas e sabores. Com dez anos, tem plenas condições de suportar mais cinco anos com tranquilidade! na segunda colocação um Rosso di Montalcino 2003, do produtor Camigliano, adquirido numa “queima” do Carrefour por R$ 29,90 – rótulo sujo, garrafa maltratada, tinha tudo para ser o azarão da degustação, mas na taça se mostrou virtuoso, equilibrado e evoluído, sem dar sinais de cansaço no entanto. Na terceira colocação um tinto do famoso enólogo italiano Roberto Cipresso: Pigreco, elaborado em Montalcino, com variedades francesas, portanto fora do regulamento da DOC, classificado como “vino da tavola”. Um elegante corte bordalês com toda complexidade que se espera de um vinho desses. Na quarta colocação um vinho com tampa de vidro: I Balzini Green Label IGT 2008. Um vinho gostoso, detentor de uma das melhores relação preço-qualidade do painel, eis que pode ser achado por menos de R$ 100 e no seu corte além da onipresente Sangiovese, vai a Mammolo. Na quinta colocação o Brancaia IGT, um vinho que entregou menos do que prometia. Mantellassi “Querciolaia”  elaborado exclusivamente com a variedade Alicante e o Chianti Straccali “Gallo Nero”, ocuparam respectivamente quinta e sexta posições. O grande ensinamento deixado por essa degustação é que, outrora desvalorizado, hoje o Chianti é uma opção confiável, desde que seu produtor seja igualmente confiável.

(Visited 290 times, 290 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *