Devinum lançou “Escaleras de Empredado” – Pinot Noir “ícone” de Miguel Torres – Chile

2015-08-06 14.33.05

No dia 6 de agosto, a importadora Devinum ofereceu almoço harmonizado com vinhos Miguel Torres – Chile, com a presença do enólogo chileno Jaime Valderrama (Diretor Geral). Pela Devinum, o Diretor Marc Perello, Patrícia Ayres e Fabiano Maciel. A seguir informações sobre o produtor e, em seguida as descrições e avaliações dos vinhos degustados, com destaque para o lançamento do Pinot Noir ícone de Miguel Torres – Escaleras de Empedrado 2012:

Escaleras de Empedrado, um Pinot Noir do vale de Curicó. Segundo Miguel Torres, “Escaleras de Empedrado foi o projeto mais trabalhoso em toda a história da bodega. É o primeiro vinho que nasce em "terrazas de piedra pizarra" no Chile, com  marcado caráter que lhe imprime o terreno e uma frescura e acidez que o situam  entre o velho e o novo mundo”.

Escaleras de Empedrado, um Pinot Noir do vale de Curicó. Segundo Miguel Torres, “Escaleras de Empedrado foi o projeto mais trabalhoso em toda a história da bodega. É o primeiro vinho que nasce em “terrazas de piedra pizarra” no Chile, com marcado caráter que lhe imprime o terreno e uma frescura e acidez que o situam entre o velho e o novo mundo”.

A Miguel Torres Chile foi fundada em 1979 pela família Torres no Vale de Curicó. Faz mais de 140 anos que a família vem produzindo vinhos na Espanha e é proprietária de vinhedos há 300 anos. Foi a primeira empresa vitivinícola estrangeira a se estabelecer no Chile. A Família Torres elegeu o país como destino devido às suas excelentes condições para o desenvolvimento da vitivinicultura. A vinícola chilena tem aproximadamente 400 hectares de vinhedos plantados em cinco áreas com diferentes tipologias e climas. É reconhecida pelo pioneirismo que a permitiu ser a primeira vinícola chilena a introduzir o uso de tanques de aço inoxidável e o uso de barricas de carvalho francês para o amadurecimento de vinhos tintos. Presente em mais de 100 países, a Miguel Torres se consolidou nestes 30 anos como uma das principais vinícolas produtoras de vinhos de qualidade. É uma empresa que compete num mercado global e que tem como diferencial a qualidade de seus vinhos, o respeito pelo meio ambiente e a responsabilidade social. Desde 2010, Miguel Torres Maczassek é o presidente executivo da Miguel Torres – Chile. É membro da quinta gerção dos Torres e se mudou com sua família para o Chile para manter a tradição e a paixão pela elaboração de vinhos que a família Torres vem demonstrando todos esses anos. A bodega tem certificação internacional Fair Trade (Comércio Justo) de sua linha de vinhos Santa Digna, seu produto mais reconhecido no país e no mundo e trabalha para manter a consciência ecológica durante todo o processo da vinificação. Importador: www.devinum.com.br

Espumante Miguel Torres Santa Digna Rosé Brut – álcool: 12% – Variedade: País – região: Curicó – importador: Devinum – preço: R$ 75 – exibiu bonita cor salmão brilhante. Perlage intenso, borbulhas de tamanho reduzido com formação de coroa de espuma. Aromas complexos com notas de leveduras e frutas vermelhas com boa sustentação. Na boca se mostrou rico, delicado, cremoso e fresco, sem nenhum amargor. Acento mineral. Maduro, de boa persistência, termina refrescante.  Seu elevado nível de qualidade o habilita a enfrentar os melhores espumantes nacionais. Avaliação: 88/100 pts.

Santa Digna, um Gewürz  de ótima tipicidade

Santa Digna, um Gewürz de ótima tipicidade

Miguel Torres Santa Digna Gewürztraminer Reserva 2014 – Álcool: 13%  –  Região: Curicó – Variedade: Gewürztraminer – Preço médio: 55,00 – Importador: Devinum – Amarelo palha límpido, brilhante. Nariz fino com bom ataque (terpênico) inicial: notas florais, lichia e frutas brancas. Depois abriu espaço para aromas minerais. Leve nota de hortelã. Boca no mesmo diapasão, “crispy”, estruturada e de bom frescor, complexa e bastante equilibrada com os elementos álcool, acidez e açúcar em sintonia. Final prazeroso. Avaliação: 88/100  pts.

Torres Cordillera Carménère

Torres Cordillera Carménère

 

Miguel Torres Carménère “Cordillera” Reserva 2009 – Álcool: 14,5% – Região: Vale de Colchágua – Importador: Devinum – preço médio: R$ 100 – a linha de vinhos “cordillera” resulta de pequenas produções artesanais. Este vinho foi amadurecido por onze meses em barrica francesa, 30% novas e 70% de segundo uso. Análise organoléptica: vermelho-rubi com reflexo violáceo quase negro sem evolução. Aberto nos aromas com notas de café torrado, pimentão, fruta em compota sobre um fundo balsâmico. Na boca, sua entrada revelou um vinho quente, de taninos macios, com bom equilíbrio entre madeira sobre a fruta. Um Carménère de estilo moderno, temperado com Merlot (35%) e Petit Verdot (15%). Avaliação: 88-89/100 pts.+

Miguel Torres Manso de Velasco “Viejas Viñas” 2011 – Álcool: 14,5% – Região: Vale de Curicó – Variedade: Cabernet Sauvignon – importador: Devinum – Preço: R$ 222,00 –  Retinto na cor com reflexo violáceo, este paradigmático vinho feito exclusivamente de Cabernet Sauvignon provém de um vinhedo centenário que lhe dá essa cor profunda e intensa com ricos aromas de fruta madura, geleia de cereja, cassis, alcatrão, especiarias, cocada, algum vegetal e a típica goiabada em compota característica dos bons tintos chilenos. Aqui os clássicos taninos da Cabernet Sauvignon proporcionam uma boca macia, redonda, expansiva com a integral subscrição das sensações olfativas numa estrutura elegante e monumental, adornada pela sutil presença de carvalho francês “Nevers” (é mais suave nos aromas e sabores mais finos, com destaque para as especiarias e dá uma maior estrutura e longevidade ao vinho) resultando num vinho completo, com muita fruta madura (amoras e cerejas) e nuances vegetais. Seu final é sem arestas e apresenta longo potencial de guarda. Vinho que se converteu na bandeira de Miguel Torres no Chile principalmente por sua consistência e regularidade. Avaliação: 90/100 pts.+

Miguel Torres Conde de Superunda 2010 – Álcool: 14% – Variedades: Cabernet Sauvignon, Carménère, Tempranillo e Monastrell – Preço: R$ 290 – “Superunda” quer dizer “por cima das ondas” e também é o título nobiliárquico concedido a Manso de Velasco, o “Conde de Superunda”. Vinho amadurecido em barricas de carvalho francês de primeiro uso “Nevers”. Análise organoléptica: púrpura profundo com reflexo arroxeado. Muita groselha, licor de cassis, especiarias, chocolate sobre notas de coco aportadas pelo longo amadurecimento em barrica. Na boca sua entrada revelou um vinho de estrutura monumental, eis que resulta de uma união de variedades espanholas com francesas adaptadas ao terroir chileno revelando sólido “savoir-faire” da escola enológica Miguel Torres. O resultado são taninos “texturados” que conferem estrutura robusta a este imenso tinto, de paladar quente e carnudo. Seu equilíbrio gustativo é invejável, eis que fruta e madeira coexistem pacificamente. Enfim, estamos diante de um vinho de longa guarda, que não custa barato, mas tem qualidade similar a de outros vinhos chilenos que custam o dobro do preço. À conferir. Avaliação: 93/100 pts.++

Conde de Superunda - um vinho com estrutura para vinte anos na garrafa!

Conde de Superunda – um vinho amadurecido em barricas novas francesas “Nevers” com estrutura para vinte anos na garrafa!

Miguel Torres “Escaleras del Empredado” Pinot Noir 2012 – Álcool: 14% – “O nascimento de Escaleras de Empedrado demorou dez anos de acordo com as estimativas iniciais, devido principalmente às dificuldades relacionadas com o clima demasiado extremo e à voracidade da fauna local. O vinhedo foi afetado, não somente pelas recorrentes geadas, mas também pelos pássaros que provocaram a perda de três colheitas apesar dos diferentes sistemas utilizados para afastá-los. Isto obrigou-o a proteger o vinhedo com um sistema de controle de geadas e a mitigar a ação dos pássaros com a colocação de redes individuais em cada vinha, o que acrescentou dificuldades adicionais para o trabalho da colheita, que se realizam manualmente devido às características topográficas do terreno. Plantou-se Pinot Noir, concretamente os clones franceses 667 e 777, que se adaptaram perfeitamente ao terreno e às condições climáticas”. Análise organoléptica: cor típica da variedade com brilho e alguma profundidade. Aromas frutados com sugestões de amoras e cerejas sobre notas vegetais. Na boca um Pinot quente, de taninos macios um pouco adocicados, acidez típica da variedade e harmonia entre fruta e madeira. No fim-de-boca de média-longa persistência, revelou leve mineralidade. Certamente um grande vinho, cujo tempo depõe a seu favor, porque acreditamos que ganhará mais tipicidade nas próximas safras. Avaliação: 89-90/100 pts.

 

 

 

A safra 2012 deste 100% pinot noir, com uma edição limitada de 2.400 garrafas, está praticamente toda vendida antes inclusive de sair ao mercado a partir de novembre, ao preço de 100 euros a garrafa. Com esta primeira colheita, a FamÍlia Torres materializa um projeto no qual investiu cerca de US$ 4 milhões e 20 anos de trabalho.

A safra 2012 deste 100% pinot noir, com uma edição limitada de 2.400 garrafas, sendo 30 magnuns e uma Jeroboam, está praticamente toda vendida antes inclusive de sair ao mercado a partir de novembro, ao preço de 100 euros a garrafa. Com esta primeira colheita, a FamÍlia Torres materializa um projeto no qual investiu cerca de US$ 4 milhões e 20 anos de trabalho.

 

 

Escaleras de Empedrado, um Pinot Noir do vale de Curicó

Escaleras de Empedrado, um Pinot Noir do vale de Curicó

 

Diretor de Enologia da Miguel Torres - Chile

Diretor de Enologia da Miguel Torres – Chile, Jaime Valderrama

Nectaria Botrytis Riesling 2009 – Álcool: 14,5% – Região: Vale de Curicó – preço: R$ 92 – Informa o portal da vinícola que: Durante as semanas o nobre fungo botrytis pacificou e enobreceu a uva, formando assim um vinho charmoso de cor ouro velho com aroma elegante, licoroso e no paladar um vinho denso e intrigante, com sabores de mel, flores e especiarias”. Análise organoléptica: ouro velho brilhante, translúcido. Aromas cítricos sobre um fundo mineral. Na boca é encorpado, com destacado equilíbrio entre doçura e acidez resultando num vinho de sobremesa fresco, gostoso e de grande persistência. A fruta está evidente e nem parece que amadureceu 14 meses em carvalho francês (50% madeira nova). Retrogosto cítrico. Avaliação: 90/100 pts.+

 

Pisco El Gobernador –

Pisco El Gobernador

Pisco El Gobernador

 

Enólogo

Enólogo

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *