Descorchados Argentina 2016

Tapia

“Gosto de Mendoza. Estamos em um deserto. As chuvas são escassas. Não superam os 200 milímetros anuais, muito pouco para cultivar viñedos de secano. O segredo há sido, historicamente, os degelos dos Andes que descem os rios todo o ano. Mas também a mais recente tecnologia de rego por gotejamento os profundos poços que permitem, entre outras coisas, que as zonas mais altas (e novas) de Vale de Uco se voltem verdes e produzam vinhos”. Com essas palavras, o jornalista Patricio Tapia começa a tecer suas abalizadas considerações sobre a vinicultura na Argentina no Guia Descorchados 2016. A seguir mais alguns trechos:

“Mendoza é a terra dos melhores malbec da Argentina. Algo mais de 70% do vinho argentino se produz em Mendoza e algo mais de 85% é malbec, assim é que – sendo rigorosos – para falar de malbec haveria que partir pelas terras “cuyanas” que é a que maior diversidade oferece da variedade e também a que mais aprofundou suas qualidades. Em apertada síntese, não há somente um malbec mendocino, senão muitos. Cada vez mais!

Argentina

Uma janela aberta

Entre as muitas entrevistas que tive com enólogos argentinos para a elaboração desta versão de Descorchados, recordo o que me disse Mariano di Paola, das Bodegas Rutini no Vale de Uco. Num dado momento alguns anos atrás, provando seus vinhos – ele percebeu que todos se pareciam, que numa degustação às cegas não seria capaz de reconhecê-los, que todos exalavam aromas muito semelhantes. Di Paola atribui essa questão  para a madurez, tendência seguida pelos produtores de vinho argentino (e em especial ao malbec) de deixar as uvas na videira por muito tempo, a fim de alcançar essa doçura, como já foi dito “ad nauseum”, que é o que o consumidor quer, o que o consumidor está procurando.

Uma boa parte do êxito obtido pela malbec nos mercados internacionais é provável que se deva a essa aptidão da malbec de ensejar vinhos opulentos e ao mesmo tempo suaves, de “taninos doces” como dizem os produtores mendocinos. Vinhos que são redondos e suculentos. Pelas mesmas razões, a Syrah teve tanto êxito nos anos 90: “Como um cabernet, mas sem  a mesma intensidade de taninos” é o que se diz, generalizando demasiadamente.

O tema é o seguinte. A malbec, por genética, tem pouca quantidade de pirazinas, vale dizer, sabores e aromas verdes que 99,9% dos produtores fogem como uma praga. E estão certos. Se o vinho está feito de uvas, que são frutas, nada pior do que comer-se uma fruta que não está madura. É simples assim. Mas, como tem pouca pirazina, as possibilidades da colheita são muito amplas. Que, em termos simples, significa que eu posso colher um malbec em seu estágio primário de amadurecimento (quando as uvas são ricas e já podem ser comidas) ou colhê-las demasiado tarde, quase como passas. Entre um e outro estágio pode haver ao menos um mês de intervalo.

Crédito da imagem: ilotravel.com.br

Crédito da imagem: ilotravel.com.br

Sentido de lugar

A ideia é simples. Não há somente um malbec, se não muitos. Partindo pela perspectiva da colheita ampla que permite ao produtor eleger um estilo, de acordo com aquilo que acredita que deve ser a malbec. Mas também está o lugar, a forma a qual a malbec se adapta de acordo ao solo e clima aonde cresce. Este assunto é novo.

As primeiras provas que definiam a malbec como uma cepa capaz de interpretar um lugar se deram nos ensaios de Catena em seus vinhedos de Gualtallary, plantados em 1996. Dos primeiros vinhos de vinhedos únicos que provei, se contam as “fincas” de Achaval Ferrer. A primeira em 1999, Altamira, de um vinhedo plantado em 1925 nas orelhas do rio Tunuyán. Logo depois, em 2000 nasceu Finca Mirador, um vinhedo plantado entre 1928 e 1942, na zona de Medrano. Em ambos os casos se tratavam de vinhos cem por cento malbec, de parreiras velhas, mas de zonas muito distintas, tanto em solo como em clima. Era normal, então, que os dois vinhos fossem completamente diferentes.

Hoje as coisas mudaram. A explosão de Gualtallary, por exemplo, não somente tem trazido vinhos muito bons, se não também uma verdadeira loucura pelos solos calcários que dão a malbec uma estrutura distinta, longe da sensação suave para colocar-lo num lado mais incômodo ou, melhor, mais desafiante para o consumidor. Os produtores da zona o chamam “taninos de tiza”, essa sensação pulsante e algo suculenta que se obtém dos malbec plantados em solos de cal, em contraposição às texturas mais redondas e suaves (e mais gulosas) dos malbec plantados em solos arenosos, por exemplo.

O trabalho de Zorzal, de Passionate Wines e de Catena, entre muitos outros, tem nos ajudado a entender mais essa sensação de “tiza” na malbec, algo que se contrapõe radicalmente à habitual frase “taninos redondos e amáveis” da cepa. No fundo, ele nos ajudou a descobrir um novo rosto, um lado desconhecido.

Porém a diferença do Chile, onde este tipo de estudos são geralmente feitos por bodegas e inscritos em determinadas explorações (vinhedos). No caso da Argentina parece ir muito mais longe. O projeto das Indicações Geográficas – I.G., é algo que já está  muito avançado e visa contornar a ideia de divisões políticas (que pouco ou nada tem haver com o vinho) para adentrar-se nas particulares características do solo e clima que uma zona pode oferecer.

Tudo isso, claro, tem sua explicação eis que para Argentina, malbec segue sendo sua grande bandeira. E ante o temor de parecer repetitivo e que os mercados se cansem demais do mesmo, se abre esta porta da diversidade, de um malbec delator de seu terroir. Finalmente, acabou esse monopólio da malbec como uma cepa que dá vinhos doces, redondos, amáveis. A malbec pode ser muito mais, ainda que às vezes essas novas caras se contradigam com o que conhecíamos.

Malbec

Além da malbec

Mas está claro que Argentina não produz somente malbec. De acordo com as cifras que divulga o Instituto Nacional de Viticultura em seu portal na web, existem 38  mil hectares de malbec, mas também 19 mil de bonarda, quase 16 mil de cabernet sauvignon, 13 mil de syrah e, claro, apenas 750 ha de cabernet franc que, todavia, tem feito muito barulho nos últimos meses.

A pergunta então é: a cabernet sauvignon é a companheira de batalhas da malbec no mercado mundial? É o príncipe consorte? Creio que não. Este ano provei mais de cento e vinte expoentes da cepa e somente um punhado (uns sete para ser mais preciso) são de classe mundial. Enquanto que se compararmos com malbec, provei umas 330 amostras e creio que ao menos 40 delas podem ser apontadas como grandes vinhos em qualquer parte do mundo. Apesar do 16 mil hectares plantados, a cabernet – segundo o que consigo visualizar – é outra das variedade que a Argentina oferece, um argumento a mais acerca da sua diversidade.

Esta cepa tem seus atributos, por certo. O principal deles é a capacidade de adaptar-se aos mais variados climas: desde o sol abrasador de Salta até o frio do Vale de San Antonio, no Chile. O problema, creio, é que custa não cair na tentação de buscar essa madurez gulosa que tanto agrada os consumidores medianos. Tenho visto no Chile que a cabernet sauvignon quando estava prestes a amadurecer nas condições mais frias, produzindo vinhos tintos, estes parecem ter sido feitos a partir de uvas passas em vez das uvas frescas, dessas que comemos os bagos.

Agrada-me a syrah porque seus vinhos tem nervo, que oferecem esses sabores cárnicos tão próprios da variedade, mas também aqueles que refrescam como um suco de amoras, não como uma geleia de morangos. A syrah tem muito caminho a percorrer no Novo Mundo, e também muitos desafios, o maior deles é que o mercado mundial parece não querer saber mais dessa cepa.

E para terminar com as tintas, vamos de cabernet franc. Os consumidores esclarecidos sabem do “boom” criado pelos jornalistas de vinho sobre esse assunto. Este ano provei para o Guia Descorchados umas 39 amostras, o que é bastante tendo em conta as escassas parreiras plantadas. Entre eles, ao menos um terço me pareceu excelente.

Se a malbec, por genética, carece de tons verdes e vegetais das pirazinas, a cabernet franc é o contrário. “Como malbec é doce e carece de notas herbais, encontrar aromas assim na cabernet franc foi magnífico” É o que diz Alejandro Vigil, enólogo da bodega Catena, a propósito de uma entrevista que fiz para a revista Decanter, de Londres. A primeira vez que Vigil se viu cara a cara com a cabernet franc foi no ano 2001 para a linha Angélica Zapata. “Naqueles anos, o que se buscava era força e madurez. Mesmo assim. especialmente no vinhedo Adrianna, em Gualtallary, a cepa já me dava frescor.”

Estes são alguns dos melhores vinhos argentinos, segundo o Guia Descorchados 2016:

O MELHOR TINTO

Crédito da imagem: vivino

Crédito da imagem: vivino

 

98 – ZUCCARDI – FINCA PIEDRA INFINITA MALBEC 2013

O trabalho de Sebastián Zuccardi e sua equipe tem revolucionado os vinhos da bodega Zuccardi. Por pelo menos três anos que as mudanças são vistas, mas nunca com a força deste Descorchados 2016. Um intenso trabalho nos vinhedos (concentrados no Vale de Uco para seus melhores vinhos), e uma mínima intervenção na bodega dão tintos como Finca Piedra Infinita, un malbec de parreiras de doze anos, vinificado em cimento e com uma pequena guarda em madeira velha. Um malbec robusto, forte, concentrado na estrutura de seus taninos, um tinto fresco e desenhado para abrir-se em uma década. A malbec em outro nível.

OS MELHORES TINTOS DO ANO –

98 ZUCCARDI FINCA PIEDRA INFINITA MALBEC 2013 ALTAMIRA

97 ACHAVAL FERRER FINCA ALTAMIRA MALBEC MALBEC 2013 ALTAMIRA

97 ACHAVAL FERRER FINCA BELLA VISTA MALBEC MALBEC 2013 PERDRIEL

97 RUTINI WINES RUTINI ANTOLOGIA XXXV 2010 VALLE DE UCO

97 ZORZAL WINES EGGO TINTO DE TIZA MALBEC C. FRANC C. SAUVIGNON 2014 GUALTALLARY

96 ACHAVAL FERRER FINCA MIRADOR MALBEC 2013 MENDOZA

96 ALTOS LAS HORMIGAS GUALTALLARY MALBEC 2013 GUALTALLARY

96 ALTOS LAS HORMIGAS VISTA FLORES MALBEC 2013 VISTA FLORES

96 BODEGA ALEANNA GRAN ENEMIGO GUALTALLARY CAB FRANC 2012 13,9 GUALTALLARY

96 CHACHINGO LEGEND EL INFIERNO GRENACHE MOUVEDRE SYRAH 2014 MAIPÚ

96 CHEVAL DES ANDES CHEVAL DES ANDES 2011 LAS COMPUERTAS

96 MATER VINI ALTEZA 2013 MALBEC 2013 NORTE

96 MOSQUITA MUERTA WINES BLEND DE TINTAS 2012 VALLE DE UCO

96 NOEMIA J.ALBERTO MALBEC 2014 RÍO NEGRO

96 TERRAZAS DE LOS ANDES SINGLE PARCEL LOS CASTAÑOS MALBEC 2011 VALLE DE UCO

96 VIÑA ALICIA COLECCIÓN DE FAMILIA BROTE NEGRO MALBEC 2012 LAS COMPUERTAS

96 ZUCCARDI FINCA CANAL UCO MALBEC 2013 ALTAMIRA

96 ZUCCARDI ALUVIONAL GUALTALLARY MALBEC 2013 GUALTALLARY

O MELHOR BRANCO

Piedra

96 – PASSIONATE WINES – VIA REVOLUCIONARIA PIEL S. BLANC – 2015

A criatividade e a curiosidade enológica de Matías Michelini parece não ter fim. Seu catálogo para Passionate Wines é um dos mais extravagantes e um dos mais incríveis que você pode encontrar na América do Sul. Seu trabalho com brancos e especialmente com a sauvignon blanc, tem sido pioneiro. Este sauvignon fermentado como tinto, com suas cascas, é o ponto culminante do trabalho de Michelini, um branco experimental, intenso, robusto, perfumado. Um vinho inclassificável  que vai muito além do prazer intelectual de beber um vinho diferente. Um prato de ouriços e encontrará a razão.

OS MELHORES BRANCOS DO ANO –

96 PASSIONATE WINE VIA REVOLUCIONARIA PIEL S. BLANC 2015 TUPUNGATO

95 CATENA ZAPATA ADRIANA VINEYARDS WHITE STONES CHARDONNAY 2012 GUALTALLARY

94 BRESSIA LAGRIMA CANELA CHARDONNAY SEMILLON 2013 VALLE DE UCO

94 LA GIOSTRA DEL VINO SALTIMBANCO S. BLANC 2014 TUPUNGATO

94 MOSQUITA MUERTA BLEND DE BLANCAS 2014 VALLE DE UCO

94 CATENA ZAPATA ADRIANA VINEYARDS WHITE BONES CAHRDONNAY 2012 GUALTALLARY

94 EL ESTECO OLD VINES TORRONTES 2015 NORTE

94 PASSIONATE WINE VIA REVOLUCIONARIA GEWURZTRAMINER 2015 TUNUYÁN

94 PASSIONATE WINE MONTESCO AGUA DE ROCA S. BLANC 2015 GUALTALLARY

O MELHOR ESPUMANTE

Baron

94 – CHANDON – BARÓN B BRUT ROSÉ 2012

A Chandon chegou em Mendoza em 1960, a primeira aventura no exterior desta casa de Champagne. Trinta anos mais tarde, plantou as primeiras vinhas no festejado Vale de Gualtallary, e dali obtém seus melhores vinhos. Este é um rosado delicioso, repleto de matizes herbáceos e frutados, e com um suave amargor que o faz parecer-se a um negroni, mas com borbulhas. Em um país com uma forte tradição em espumantes, este Chandon chega a níveis deliciosos de frescor e simplicidade. A próxima vez que tiver um salmão defumado sobre o prato ou um rosbife, já sabe qual o vinho que irá escolher.

OS MELHORES ESPUMANTES DO ANO –

94 CHANDON BARÓN B BRUT ROSÉ CHARDONNAY P. NOIR 2012 TUPUNGATO

93 BODEGA CRUZAT GRAN MILLESIME 2006 VALLE DE UCO

93 BODEGA CRUZAT CRUZAT CUVÉE NATURE VALLE DE UCO

92 BODEGAS SALENTEIN CUVÉE EXCEPTIONNELLE BRUT NATURE 2015 TUNUYÁN

92 BRESSIA ROYAL CHARDONNAY P. NOIR 2014 GUALTALLARY

92 CHANDON BARÓN B BRUT NATURE CHARDONNAY P. NOIR 2012 TUPUNGATO

91 AGRESTIS AGRESTIS ROSÉ NATURE P. NOIR 2014 RÍO NEGRO

91 ALMA 4 ALMA 4 CHARDONNAY ROBLE CHARDONNAY 2011 VALLE DE UCO

91 BODEGA DEL FIN DEL MUNDO BRUT NATURE DEL FIN DEL MUNDO P. NOIR 2012 NEUQUEN

91 CHANDON CUVÉE RESERVA CHARDONNAY NV GUALTALLARY

91 CHANDON CUVÉE RESERVA P. NOIR P. NOIR NV TUPUNGATO

91 LOPEZ FEDERICO LOPEZ BRUT NATURE MAIPÚ

91 PHILIPPE CARAGUEL EXTRA BRUT ROSE 2014 TUPUNGATO

91 VIÑA LAS PERDICES “24 MESES SOBRE LIAS” 2013 AGRELO

91 VIÑA LAS PERDICES NATURE SOBRE BORRAS AGRELO

VINHO REVELAÇÃO

Crédito da imagem: vivino

Crédito da imagem: vivino

BLANC DE ALBA – BLANC DE ALBA – 2014

Não é nada estranho que gente tão bem relacionada com o vinho como  os sommeliers, se atrevam a fazer vinhos. E tão pouco é estranho que os enólogos se sintam atraídos por uma versão assim, pois pode-se trazer um sommelier para a elaboração. Dessa interação nasce Blanco de Alba, feito a quatro mãos pela reconhecida sommelier de Buenos Aires, Agustina de Alba e pelo enólogo de Zorzal, Juan Pablo Michelini. É uma co-fermentação de sauvignon e riesling mais algumas gotas de sémillon agregadas ao final. O resultado é um branco de grande tensão, frescor e pureza, bebível como poderia ser. Estrutura suculenta, mas muito bom de taninos e acidez. Para ostras.

VINHO REVELAÇÃO

Anielo

BODEGA ANIELLO –  ANIELLO BLOCK HISTÓRICO 1932 TROUSSEAU – 2014

A zona de Mainque é uma das mais tradicionais em Río Negro, por sua vez o vale com maior riqueza em parreiras velhas da Patagonia argentina, entre elas por certo que malbec, mas também outras mais obscuras como bastardo, uma das cepas estrelas de Jurá, na França, conhecida ali como trousseau. Não há muita trousseau em Río Negro, mas o que há  (e graças ao boom, pelo menos entre os geeks do mundo do vinho, Jura) está sendo desenvolvido inicialmente como um varietal. De um vinhedo de 0.8 hectare, plantado em 1932, é um vinho repleto de aromas terrosos, florais e com uma energia potente, brilhante. Tem o dulçor dos vinhos do Novo Mundo, mas longe de cansar.

VINHO REVELAÇÃO

Esteco

EL ESTECO – OLD VINES TORRONTÉS – 2015

A nova linha Old Vines de El Esteco (parte do grupo de bodegas lideradas por Trapiche) é um dos grandes descobrimentos deste ano no Guia Descorchados. Com três vinhos demostram que só a altura de Salta não necessariamente – como tanto se há insistido – só permite fazer vinhos carregados e potentes, muitas vezes exagerados em seu conteúdo de álcool. Old Vines demonstra que há um caminho distinto. E, como exemplo, este torrontés. Com  15% do total fermentado com as cascas (como se fosse um tinto) para obter uma maior estrutura, mas com sabores deliciosamente refrescantes,  abre um novo caminho para essa variedade.

VINHO REVELAÇÃO

Ji

GEN DEL ALMA – JI JI JI CHENIN BLANC – 2015

Gerardo Michelini trabalha na parte comercial de Zorzal, enquanto que seus irmãos, Juan Pablo e Matías, se dedicam a fazer os vinhos junto a sua mulher, a enóloga Andrea Mufatto. Gente de Alma, contudo, o projeto “intra” familiar de Andrea e Gerardo foi uma das grandes revelações de Descorchados no ano passado. A novidade deste ano é o novo integrante de seu pequeno mas delicioso catálogo de vinhos. Ji Ji Ji Chenin Blanc 2015 é um resgate a esta esquecida cepa mendocina, popular nos anos em que se bebiam mais brancos que tintos em Argentina, mas que hoje quase todos esqueceram. Este chenin é refrescante, vivaz, repleto de frutas. Um verdadeiro descobrimento.

VINHO REVELAÇÃO

crédito da imagem: riodejaneiroadezembro.wordpress.com

crédito da imagem: riodejaneiroadezembro. wordpress.com

 

LOS MIRAS – MIRAS “JOVEM” TROUSSEAU – 2015

Faz cerca de vinte anos, quando o enólogo Marcelo Miras trabalhava na bodega Humberto Canale, vinificava trousseau/bastardo por pinot gris e foi para a linha merlot-pinot de Canale. Duas décadas mais tarde, compreendeu que tinha algo único em suas mãos e a incluiu na línha “jovem” do projeto familiar que tem com seu filho, Pablo desde 2005. Este trousseau é vinificado com a técnica da maceração carbônica, a mesma que se usa em Beaujolais, o que lhe dá um extra de sabores frutais a este simples, deliciosamente frutado tinto, um desses vinhos que se bebem por garrafas, um grande acerto dos Miras e um resgate que – junto ao da bodega Aniello – trata de revitalizar esta cepa, hoje de certa fama graças aos vinhos de Jurá, na França.

VINHO REVELAÇÃO

Luigi Bosca

LUIGI BOSCA – FINCA LA LINDA PRIVATE SELECTION MALBEC – 2013

Os melhores vinhos de Luigi Bosca, a tradicional bodega de Mendoza, vem da zona de Las Compuertas, a zona mais alta em Luján de Cuyo. Junto ao rio Mendoza, os velhos vinhedos de chardonnay e de malbec oferecem vinhos untuosos e de muito boa acidez. E ainda que este Private Selection malbec 2013 não seja o mais ambicioso dos tintos no catálogo da casa, é um vinho surpreendente em sua pureza, mostrando o caminho que hoje Luigi Bosca toma: menos madeira, mais precisão. Aqui a fruta do malbec andino, robusto, amável, repleto de notas florais, convive com uma estrutura potente e firme. O vinho ideal para acompanhar uma carne assada.

VINHO REVELAÇÃO

MOSQUITA MUERTA – BLEND DE BLANCOS 2014 VALLE DE UCO

Mosquita

A familia Millán é dona de supermercados em Mendoza, mas também têm três projetos de bodegas: Los Toneles, Fiego Blanco e Mosquita Muerta. Os três compartem um estilo refrescante e focado na fruta, com vinhos que sempre tem grande estrutura. Este Blend, bastante unusual, se compõe de chardonnay, moscatel e viognier. Duas cepas aromáticas e florais como as duas últimas lhe dão caráter, oferecendo sabores untuosos e densos, mas sempre com o característico frescor dos vinhos de Mosquita. E o que acontece com o corpo, que quase parece ter a força de um tinto?  Vocês já sabem. Por esses lados nos agrada a seguinte equação: brancos como tintos e tintos como brancos.

VINHO REVELAÇÃO

Patritti

PATRITTI – SANGRE AZUL MERLOT – 2014

Para os que estão acostumados com o trabalho de Patritti en San Patricio del Chañar, Neuquén, no é nenhuma novidade a qualidade de seus merlot, entre os melhores que se produzem na Argentina. Dos 105 ha que a bodega tem plantados desde 2003, uns 15 correspondem a esta cepa bordalesa e graças a uma seleção dos melhores lotes este ano lançaram ao  mercado Sangre Azul 2014. O estilo dos merlot de Patritti são robustos, de grande estrutura. Todavia, para o mais ambicioso dos vinhos da bodega, decidiram tomar outro caminho. Sangre Aazul é tremendamente frutado e amável, rico em sabores frutados, de corpo sedoso, profundo como poucos vinhos da Patagonia.

VINHO REVELAÇÃO

Riccitelli

RICCITELLI WINES – OLD VINES PATAGONIA SÉMILLON – 2015

Até o momento, o raio de ação de Matías Riccitelli havia estado em Mendoza. Contudo, já está além, em Rio Negro. Ali, Riccitelli encontrou um velho vinhedo de Sémillon e decidiu unir-se para resgatar essa variedade ao lado de um punhado de produtores da América do Sul, uma das variedades brancas mais admiradas no mundo. Esta versão é encantadora em sua textura, com uma cremosidade muito própria da cepa e também com seus aromas frutados maduros. Um encantador dulçor completa o quadro daquele que deve ser um dos melhores sémillon da Argentina, e o número vai aumentando.

VINHO REVELAÇÃO

Calcareo

SÚPER UCO – SÚPER UCO CALCÁREO GRANITO – 2013

Os sempre inquietos irmãos Michelini agora têm um novo projeto, que desta vez reúne a  família numa investigação sobre distintos lugares no Vale de Uco. Neste momento, são três vinhos de três zonas andinas: Chacayes, Altamira e Gualtallary. Desta última zona, e de suelos graníticos e calcáreos vem este Súper Uco. Dos três parece ser o mais angular, o mais austero, o que parece menos sedutor à primeira vista, mas atenção com a evolução do estilo de malbec. Tem uma larga vida. Para acentuar o sentido de origem, os Michelini fermentam em concreto (em ovos e ânforas) e logo em seguida usam madeira velha para o amadurecimento.

VINHO REVELAÇÃO

Zorzal

ZORZAL – EGGO BONAPARTE BONARDA – 2015

O que sabemos da bonarda é que pode dar vinhos muito amáveis, suaves, “gordos” e gulosos e que pode ser um companheiro da malbec, mas em um segundo plano, como vinho fácil. Há quem opine outra coisa, mas em vez de sobre-extrair a bonarda ou impregná-la de madeira, optam por um caminho diferente. No caso de Bonaparte, um exemplo que vem de velhas parreiras na zona de La Arboleda, em Tupungato. A particularidade deste Bonarda é que carece do dulçor típico da cepa, um detalhe que geralmente cansa e tira o frescor. Neste caso, a data da colheita, a ausência de notas de madeira lhe dão uma rigidez e vibração que eu não havia visto na cepa. É hoje um dos melhores na sua categoria na Argentina.

VINHO REVELAÇÃO

Zorzal

ZORZAL – TERROIR UNICO MALBEC – 2014

A meta dos irmãos Michelini com Zorzal é interpretar os sabores do Vale de Uco, especialmente os que obtém desde os solos arenosos e calcáreos de Gualtallary, uma das zonas mais altas do Vale de Uco. E ainda que não tenham vinhedos próprios em produção atualmente, tem-se muitos bons contactos com produtores de uvas que lhes permitem obter bons resultados desde suas linhas mais básicas como este Terroir Unico Malbec. Fermentado em ovos de concreto e por ali fica seis meses antes de ir para a garrafa. E o que essa garrafa contém é um puro e expressivo tinto de Gualtallary, com todas suas notas de frutas vermelhas radiantes em frescor e sua textura de tiza que dão os solos de cal da zona. Impressionante por seu preço.

Fonte: http://www.guiadescorchados.cl/2015/12/23/argentina/

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *