Destaques do Guia Descorchados 2016

Descorchados 2016

O segredo é viajar. A geração que atualmente está fazendo alguns dos melhores vinhos da história do Chile tem como inspiração a nuvem de Bordeaux sobre a cabeça. Os professores com os quais estudaram na universidade (principalmente, a Faculdade de Agronomia e Enologia da Universidade Católica do Chile) lhes ensinaram que ali se faziam os melhores vinhos do mundo, que a Cabernet Sauvignon era indiscutivelmente a cepa estrela para fazer os melhores tintos no Chile e que tinham  que seguir esse modelo se quisessem fazer bons vinhos.

Havia outras coisas que eles aprenderam como enólogos, de fato. Como, por exemplo, que a variedade País não servia para nada e que as cepas Cinsault ou Carignan eram inúteis, porque só produziam tintos rústicos, sem maior interesse, relegados aos bares que vendiam vinho a granel. Ou que o Vale de Itata foi concebido para fornecer apenas vinhos desinteressantes e que as cepas tintas, exceto, é claro, a Pinot Noir, nunca poderiam crescer perto do mar.

As viagens têm questionado muitos desses ensinamentos. E isso realmente é um fenômeno muito recente. Até uns cinco anos, uma visita técnica ao Médoc era obrigatória ou, na sua falta, conhecer os vinhos do Napa, Califórnia. Os enólogos vinham dessas viagens com a garantia de que estavam fazendo tudo certo, que nada estava em dúvida.

Atualmente, o Vale de Itata está crescendo e continuará a produzir vinhos feitos com uvas provenientes de vinhas muito velhas nascidas sem irrigação artificial, apenas com as chuvas que são generosas nesta parte do sul do Chile. Esse vale também trouxe para a arena a redescoberta da Moscatel. Esta cepa de grande corpo, textura rústica, era a favorita para os brancos pipeños até que De Martino incluiu em sua linha o Viejas Tinajas. Macerados com as cascas, este deve ser o primeiro vinho “laranja” produzido no Chile. Este ano degustamos para o Descorchados quinze Moscatéis, todos feitos por vinícolas só dedicadas às brancas Sauvignon Blanc ou Chardonnay.

Todas essas novidades falam de um Chile que se reinventa, buscando algo que diferenciara o vinho chileno na feroz concorrência internacional, visto que em dado momento se falou da Carménère como fator distintivo. Há muitos bons Carménère no Chile, mais isso não parece ser o suficiente. O que diferencia o vinho chileno é a verdadeira diversidade de opções que ele oferece. Num extremo, os clássicos e aristocráticos vinhedos do Alto Maipo oferecendo Cabernet Sauvignon cheios de sentido de lugar. No outro, os vinhedos rurais de Itata, oferecendo uma realidade radicalmente oposta. E, no meio de ambos, muitas outras alternativas entre cepas e vales.

Como disse no primeiro parágrafo. Está valendo à pena ser jornalista de vinhos no Chile hoje eis que as notícias estão por todos os lados.

 Em seguida, alguns dos vinhos ganhadores.

O MELHOR TINTO

D

98 – CONO SUR SILENCIO – C. SAUVIGNON – 2011

Um resumo do melhor que a Cabernet Sauvignon pode entregar no Alto Maipo, este vinho vem principalmente de três zonas andinas: Puente Alto, Los Morros e Pirque. O enólogo Adolfo Hurtado seleciona os melhores lotes e logo os amadurece por dois anos em barricas. O resultado é uma fotografia em HD da zona, seus aromas especiados e mentolados, sua fina estrutura marcada por taninos pulsantes e elegantes e a acidez de um ano frio que refresca tudo na medida. Um vinho chileno, com forte sentido de lugar, inimitável por nenhuma outra região no mundo.

OS MELHORES TINTOS DO ANO –

98 CONO SUR SILENCIO C. SAUVIGNON 2011 – ALTO MAIPO
97 COUSIÑO MACUL LOTA C. SAUVIGNON MERLOT 2010 – ALTO MAIPO
97 SEÑA C. SAUVIGNON CARMENÈRE MALBEC MERLOT P. VERDOT 2013 – ACONCAGUA
97 CLOS QUEBRADA DE MACUL DOMUS AUREA 2011 – ALTO MAIPO
97 SANTA CAROLINA LUIS PEREIRA C. SAUVIGNON 2013 – CHILE
96 CONCHA Y TORO TERRUNYO LOT 1 CARMENÈRE 2013 – PEUMO
96 DE MARTINO SINGLE VINEYARD LIMÁVIDA MALBEC 2013 – MAULE
96 TABALÍ ROCA MADRE MALBEC 2014 – LIMARI
96 MAYCAS DEL LIMARÍ LOS ACACIOS SYRAH 2014 – LIMARÍ
96 AQUITANIA LAZULI C. SAUVIGNON 2012 – ALTO MAIPO
96 CALCU FUTA C. SAUVIGNON 2011 – MARCHIGUE
96 ALMAVIVA 2013 – ALTO MAIPO
96 ERRÁZURIZ THE RED BLEND 2013 – ACONCÁGUA
96 NEYEN  CARMÉNÈRE C. SAUVIGNON 2011 – APALTA

O MELHOR BRANCO

D

97 –  ERRÁZURIZ – LAS PIZARRAS CHARDONNAY – 2014

A zona de Aconcágua Costa vem produzindo excelentes vinhos ao catálogo da Errázuriz, mas até agora nada igual como este Chardonnay. O enólogo Francisco Baettig descobriu um setor do vinhedo que não somente era peculiar em seus solos de pizarras que lhe dava um caráter distinto, sobretudo em termos de profundidade de sabores. O Pizarras Chardonnay é cremoso, rico em sabores frutados, especiarias, notas minerais, mas sobretudo é um vinho largo, que se estende pela boca como um espreguiçar após acordar. Fundamental.

OS MELHORES BRANCOS DO ANO

97 ERRÁZURIZ LAS PIZARRAS CHARDONNAY 2014 ACONCAGUA COSTA
97 CASA SILVA LAGO RANCO S. BLANC 2014 SUR
96 CASA MARIN CIPRESES S. BLANC 2014 SAN ANTONIO
96 CONCHA Y TORO TERRUNYO S. BLANC 2015 CASABLANCA
96 DE MARTINO SINGLE VINEYARD PARCELA 5 S. BLANC 2014 CASABLANCA
96 KALFU SUMPAI S. BLANC 2015 NORTE
96 TABALÍ TALINAY S. BLANC 2015 LIMARI
95 BODEGAS RE EN RE DO 2015 CASABLANCA
95 BODEGAS RE CHARDONNOIR 2014 CASABLANCA
95 DE MARTINO VIEJAS TINAJAS MOSCATEL 2014 ITATA
95 AQUITANIA SOL DE SOL CHARDONNAY 2012 SUR
95 MAYCAS DEL LIMARÍ QUEBRADA SECA CHARDONNAY 2014 LIMARÍ
95 TARA TARA WHITE WINE 1 CHARDONNAY 2014 NORTE
95 AQUITANIA SOL DE SOL S. BLANC 2015 SUR
95 CONO SUR 20 BARRELS S. BLANC 2015 CASABLANCA
95 MATETIC EQ COASTAL S. BLANC 2015 CASABLANCA
95 SANTA RITA FLORESTA S. BLANC 2015 LEYDA
95 UNDURRAGA TH S. BLANC LO ABARCA S. BLANC 2014 SAN ANTONIO
94 WILLIAM FÈVRE CHILE ESPINO GRAN CUVÈE CHARDONNAY 2014 PIRQUE
94 ERRÁZURIZ THE WHITE BLEND 2015 ACONCAGUA
94 SIERRAS DE BELLAVISTA RIESLING 2015 ALTO COLCHAGUA
94 CASAS DEL BOSQUE P. PRODUCCIONES S. BLANC 2015 CASABLANCA
94 LABERINTO CENIZAS DE LABERINTO S. BLANC 2015 MAULE
94 LEYDA LOT 4 SAUV BLANC S. BLANC 2015 LEYDA
94 QUINTAY WINES EXPERIENCE S. BLANC 2015 CASABLANCA
94 TABALÍ RESERVA ESPECIAL S. BLANC 2015 LIMARI
94 VENTOLERA VENTOLERA S. BLANC 2015 LEYDA
94 VERAMONTE RITUAL S. BLANC 2015 CASABLANCA

MELHOR ESPUMANTE DESCORCHADOS

D

94 – MORANDÉ – BRUT NATURE CHARDONNAY PINOT NOIR

Pablo Morandé produz alguns dos melhores espumantes do Chile: os que faz para seu projeto familiar Bodegas Re como também os efervescentes para Viña Morandé. Neste último caso resultam vinhos mais clássicos, mas da velha escola como este Brut Nature que tem esse lado “vinoso” que enche a boca de sabores maduros e intensos, dominados por uma acidez que parece acentuada e borbulhas finas e abundantes, marcando uma estrutura robusta e elegante. Nada melhor que um prato de ostras como acompanhamento.

OS MELHORES ESPUMANTES DO ANO

94 MORANDÉ BRUT NATURE CHARDONNAY PINOT NOIR CASABLANCA
93 BODEGAS RE RE NOIR PINOT NOIR NV CASABLANCA
93 BODEGAS RE RE NOIR VIRGEN PINOT NOIR NV CASABLANCA
93 CASA SILVA FERVOR CHARDONNAY PINOT NOIR N/A COLCHAGUA
92 CASAS DEL BOSQUE BO PINOT NOIR CHARDONNAY NV CASABLANCA
92 UNDURRAGA TITILLUM BLANC DE NOIRS PINOT NOIR NV LEYDA
92 VALDIVIESO BLANC DE BLANCS CHARDONNAY 2011 VALLE CENTRAL
91 MONTES SPARKLINGANGEL BRUT ACONCAGUA COSTA
91 MORANDÉ BRUT K.O PAÍS CHARDONNAY PINOT NOIR
91 MUJER ANDINA LEVITA SIRAH 2013 MAIPO
91 VALDIVIESO BLANC DE NOIRS PINOT NOIR 2014 VALLE CENTRAL
91 VALDIVIESO EXTRA BRUT CUVÉE RESERVE N/V VALLE CENTRAL
91 VALDIVIESO NATURE CHARDONNAY PINOT NOIR N/V VALLE CENTRAL
90 GARCIA + SCHWADERERMETRODO TRADICIONAL NV CASABLANCA
90 LEYDA ESPUMANTE METODO TRADICIONAL BLANC & BLANC 2013 LEYDA
90 LOMA LARGA VINEYARDS LOMA LARGA ESPUMANTE NV CASABLANCA
90 MORANDÉ EXTRA BRUT CHARDONNAY NV CASABLANCA
90 MUJER ANDINA AI! CHARDONNAY PINOT NOIR 2014 SUR
90 QUINTAY WINES BRUT NATURE 2013 CASABLANCA
90 UNDURRAGA TITILLUM BLANC DE BLANCS CHARDONNAY NV LEYDA
90 UNDURRAGA EXTRA BRUT CHARDONNAY RIESLING S. BLANC NV LEYDA
90 UNDURRAGA TITILLUM ORIGINAL CHARDONNAY PINOT NOIR NV LEYDA
90 UNDURRAGA TITILLUM ROSÉ 130 AÑOS PINOT NOIR NV LEYDA
90 VALDIVIESO GRAND BRUT ROSE CHARDONNAY PINOT NOIR N/V VALLE CENTRAL
90 VIÑAMAR EXTRA BRUT 2015 VALLE CENTRAL

MELHOR ESPUMANTE DESCORCHADOS

94 – GARCÍA + SCHWADERER – MÉTODO ANCESTRAL ROSÉ PINOT NOIR NV

O método ancestral é a forma mais antiga e básica de produzir espumantes e consiste, grosso modo, em que o vinho termine sua fermentação na garrafa, sem mais. Hoje vive um certo revival e García + Schwaderer está produzindo um espumante delicioso, cem por cento de Pinot Noir, intenso em frutas vermelhas, de corpo firme, daqueles espumantes que pedem carnes vermelhas. Um vinho deliciosamente rústico que exemplifica a diversidade dos espumantes chilenos.

VINHO REVELAÇÃO

Santa Rita

95 – SANTA RITA – CERRO 94 C. SAUVIGNON – 2014

O enólogo Andrés Ilabaca está trabalhando com a Cabernet Sauvignon de Alto Jahuel, no Alto Maipo, elaborando tintos muitos mais frescos e menos concentrados; Cabernet mais elegantes e mais amáveis com comida. Como exemplo, este Cerro 94 que, apesar de ter 18 meses de amadurecimento em barricas, oferece puros sabores frutais, refrescantes. Trata-se de uma nova empreitada nessa zona – das mais quentes no Alto Maipo, de um enólogo que se encontra redefinindo sua forma de ver a Cabernet Sauvignon.

VINHO REVELAÇÃO

D

95 – BODEGAS RE – EN RE DO GEWÜRZTRAMINER RIESLING – 2015

O catálogo das Bodegas Re está cheio de experimentos e ensaios, conformando uma das coleções mas tresloucadas da cena vinícola Latino-Americana. Tome como exemplo este Re Do Gewürztraminer-Riesling 2015 do Vale de Casablanca. O vinho foi vinificado como tinto, vale dizer, com suas cascas o que lhe dá uma cor laranja, bastante peculiar para um branco, corpo poderoso, estrutura forte, tânico. Bodegas Re é um projeto familiar do legendário enólogo Pablo Morandé e também uma válvula de escape para todas suas loucuras.

VINHO REVELAÇÃO

D

96 – AQUITANIA – LAZULI CABERNET SAUVIGNON – 2012

Visitar os vinhedos de Aquitania em Macul, é ver como avançou a cidade de Santiago, em sua expansão para perto da Cordilheira. Os vinhedos estão literalmente rodeados de muros atrás dos quais se estendem novos bairros. Mas esta zona tão tradicional para o vinho chileno resiste à especulação imobiliária ao ponto de elaborar bons vinhos como este Lázuli, um clarísimo exemplo de Cabernet do Alto Maipo com suas notas mentoladas, seus aromas especiados e de frutas vermelhas e seu corpo delicado, de taninos finos e de suculenta acidez. Um vinho clássico chileno, dos mais clássicos que hoje se produzem no Chile.

VINHO REVELAÇÃO

D

93 – CARMEN – QUIJADA #1 SEMILLÓN  SAUVIGNON BLANC – 2015

Dentro de um catálogo de vinhos muito bons e comerciais, o enólogo Sebastián Labbé decidiu experimentar uma nova linha de vinhos em que se pretende ser um pouco mais livre, com menos intervenção em busca de pureza. É o que foi atingido com este Quijada #1, um blend de parreiras muito antigas de Semillón e Sauvignon Blanc da zona de Apalta, no coração do Vale de Colchágua. Trata-se de um vinho que é um verdadeiro suco de uvas, com um aspecto turvo (não houve filtração) com notas frutadas e de mel. Este vinho é o mais original que já provei da Viña Carmen. Mas fiquem atentos por que teremos mais novidades.

VINHO REVELAÇÃO

D

95 – LAPOSTOLLE – COLLECTION CARMENÈRE APALTA – 2013

Andrea León tem a seu cargo esta linha de vinhos da Casa Lapostolle, uma linha que cresce a medida que passam as colheitas mas que mantém o frescor e a originalidade, inclusive com cepas e lugares mais clássicos como a Carménère associada ao terroir de Apalta, em Colchágua. Este não é o típico Carménère achocolatado e doce, ao contrário, é um tinto fresco, vivo em frutas vermelhas e notas minerais, de estrutura firme e sólida, com taninos “elétricos”. Um grande exemplo da nova onda de Carménères no Chile.

VINHO REVELAÇÃO

D

94 – QUINTAY WINES – EXPERIENCE SAUVIGNON BLANC – 2015 – CASABLANCA

Quintay, desde sua gênese, se especializou em Sauvignon Blanc de Casablanca, mas faltava em seu catálogo um Sauvignon de maiores ambições. Se outros optam pelo amadurecimento em madeira para obter um Sauvignon superior em seu catálogo, Quintay aposta num vinho que expressa todas as frutas frescas e vivas do vale, numa safra (2015) que ensejou vinhos de grande corpo e concentração. Como fotografia do melhor de Casablanca, este Sauvignon Blanc é nítido como poucos.

VINHO REVELAÇÃO

D

95 – BODEGAS RE – RE    NOBLE SAUVIGNON BLANC – 2013

Um dos estilos favoritos do enólogo Pablo Morandé são os brancos doces de colheita tardia, especialmente se se tratando de uvas botrytizadas ou “podridão nobre”, como a chamam os franceses. Neste caso, se trata dessa nobreza num vinho cem por cento Sauvignon Blanc do frio ano de 2013 em Casablanca que entregou um branco de grande complexidade, apesar de sua juventude. Notas de frutas brancas ao licor, textura cremosa e untuosa, marcado por uma acidez que lhe dá energia e brilho. Um desses vinhos indispensáveis para conhecer no vasto panorama de vinhos do Vale de Casablanca.

VINHO REVELAÇÃO

D

94 – BODEGAS EL VIEJO ALMACÉN DE SAUZAL – HUASO DE SAUZAL, CHILENA PAÍS – 2014

Renán Cancino é um respeitado consultor vitícola, mas tem este pequeno projeto em sua terra natal Sauzal, no “Secano de Cauquenes”. Todo elaborado com velhas parreiras da zona, destaca seu Huaso de Sauzal Chilena País, um vinho feito com vinhedos de Trequilemu e Pulco, ambas localidades distantes a uns cinco km de Sauzal. Cancino trata de preservar a fruta dessas parreiras ancestrais, intervindo muito pouco na bodega. E graças a isso, obtém um verdadeiro suco de frutas vermelhas, tão refrescante e cristalino como poucos vinhos elaborados com essa variedade no Chile.

VINHO REVELAÇÃO

D

91 – VILLASEÑOR – PUELO PATAGONIA PINOT NOIR – 2014

As fronteiras do vinho chileno se expandem com rapidez e essa expansão é mais notória na chuvosas terras do sul. Este Puelo Patagonia, vem de um pequeno vinhedo de um quarto de hectare localizado perto do rio Puelo, a uns 1.100 km ao sul de Santiago. Nessa zona de paisagens selvagens e verde intensos, Villaseñor obtém este Pinot Noir que é uma clara expressão da cepa, com seus aromas florais e frutais, seu nervo, textura tensa e sua sútil rede de acidez que refresca todo por seu turno. O Sul do Chile tem vocação para a viticultura. Esperem muitas surpresas dali.

VINHO REVELAÇÃO


D

93 – LAPOSTOLLE – COLLECTION MOSCATEL – 2014

A Moscatel é outra das cepas que hoje renasce na cena de vinhos chilena. Esquecida antes da chegada das brancas francesas, a Moscatel hoje ressurge graças a um grupo de bodegas que tem elaborado muito bons vinhos com ela. Um delas é a Lapostolle. Andrea León obtém este Moscatel do Vale de Itata e cria um vinho bipolar. No nariz parece doce e untuoso, mas na boca é seco e intenso, refrescante e angular, mas sempre com esse corpo redondo da moscatel; um branco que parece tinto.

VINHO REVELAÇÃO

 

Impostor
91 – VIÑAS INÉDITAS – “EL IMPOSTOR”, CINSAULT DE AGUJA SECO – 2015

Juan Ledezma é um enólogo comprometido com as velhas parreiras do sul do Chile, especialmente no Vale de Itata. Dalí obtém esta pequena delícia que se chama El Impostor, um Cinsault cem por cento de grande frescor, com algum rastro de gás carbônico que sublinha essa sensação refrescante e de muita fruta vermelha que o faz parecer mais delicioso que suco de morangos. Além disso, vem em formato pequeno, de 30 centímetros cúbicos, o que o torna um sério candidato para brigar nos bares com as cervejas nas preferências dos consumidores. Esperemos que ganhe a peleja.

VINHO REVELAÇÃO

D

90 – TERROIRS BOGUS – TRES VACAS PAIS – 2013

Christophe Beau é um francês de Paris, que viveu toda sua vida na América Latina. Chegou ao Chile faz 4 anos, ele vai e vem de seus vinhedos em Pic Saint Lup, no Languedoc e Quilpué, no Vale do Aconcágua, onde produz vinhos ancestrais feitos em couro de vaca. Beau mandou construir três lagares de couro de vacas para fazer um vinho fora de série. Este vinho cheira a terra antes que uvas, com notas deliciosas de frutas vermelhas maduras num corpo selvagem, feito para comer morcillas com ele.

D

VINHO REVELAÇÃO

92 – BOUCHON FAMILY WINES – J.BOUCHON PAÍS SALVAJE – 2015

A ideia de vinhedo moderno, de vinhedos perfeitamente ordenados em filas limpas e bem podadas, se vê totalmente desafiada pelas parreiras de onde vem este tinto da variedade País Salvaje. Mais que um vinhedo, são plantas que se enredaram entre arbustos ou que treparam em árvores em um caos natural que, entre outras coisas, implica que a colheita muitas vezes deve ser feita com escadas. O resultado deste salvaje é um tinto suculento, simples, frutado, para o verão. Ou para ser bebido aos borbotões nas férias.

D

VINHO REVELAÇÃO

90 – LEYDA – RESERVA PINOT NOIR – PINOT NOIR – 2015

O pinot chileno tem avançado muito em sua ambição por ser a matéria prima para grandes vinhos. E já há um punhado que está muito perto de sê-lo. Todavia, aonde é mais claro esse avanço é na gama mais baixa de preços, onde a pureza frutal manda cada vez mais exemplos. Tomem este Reserva da Viña Leyda e confirmarão as minhas palavras. É a Pinot Noir em seu estado puro, sem mais ambições que refletir o caráter varietal e refrescar. Um vinho a tomar em conta, sobretudo por aqueles que sentem curiosidade por esta uva. Uma excelente porta de entrada.

Fonte: http://www.guiadescorchados.cl/2015/11/18/descorchados-2016-chile/

Descorchados 2016

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *