A vinicultura no Uruguai

Uruguay

Uruguai

O ponto de diferenciação aqui é a uva Tannat, vigorosa e tânica, que produz um tinto vigoroso, com toques de ameixa, melhor se misturada com Cabernet Franc e Merlot. Amat e Las Violetas Reserva mostram a Tannat em sua mais fragrante forma. Juanicó é igualmente notável, com a principal mistura de tinto Prelúdio e sociedade com Bernard Magrez do Château Pape Clement, para produzir o Gran Casa Magrez del Uruguay. Outros produtores de destaque: Bruzzone & Sciutto, Casa Filguera, Castillo Viejo, De Lucca, Alto de La Ballena, Bouza, Pisano, Pizzorno, Ariano, Carrau, H. Stagnari, Antigua Bodega Stagnari, Principais uvas para tintos: Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir, Syrah e Tannat. Para vinhos brancos: Chardonnay, Sauvignon Blanc, Sémillon e Viognier. Panorama das últimas safras:

2005 – dias quentes e noites frias deram uma das melhores colheitas da história uruguaia.

2006 – excelente safra de brancos jovens e tintos intensos.

2007 – safra ameaçada por vento e chuvas. Péssima para variedades tardias como Cabernet Sauvignon e Tannat.

2008 – Em geral, brancos excelentes e tintos inconsistentes.

2009 – os brancos tendem a perder frescor e aroma. Os tintos estão muito concentrados e, às vezes, tânicos demais.

2010 – o calor tanto salvou a estação. Bom para cepas tardias como Cabernet Sauvignon, Petit Verdot e Tannat.

2011 – uma das melhores safras tanto para brancos como tintos do Uruguai. Vinhos elegantes e longevos.

Série vinícolas do Uruguai

alto-de-la-ballena

Alto de La Ballena

Na procura de um local ideal para seu vinhedo, Paula Pivel e Alvaro Lorenzo encontraram os solos rochosos da Sierra de la Ballena, a 13 km do mar, estrategicamente localizados perto de Punta del Leste, onde as uvas amadurecem vagarosamente. Agora, seus 8 hectares vinhedos foram plantados com as variedades Merlot, Cabernet Franc, Syrah, Viognier e Tannat. Há dois vinhos de alta qualidade, um Merlot e um corte de Tannat e Viognier, sendo que este último é o melhor do catálogo. Um Viognier, um Cabernet Franc/Tannat Rosé e um vinho de sobremesa fortificado Cabernet Franc são feitos em pequena quantidade e oferecidos para quem visita a propriedade.

Bouza

Bodega Bouza

A Bodega Bouza é uma vinícola-butique gerida por uma família que acredita que produzir pequenas quantidades leva a uma qualidade melhor. Seus vinhedos ocupam 22 há, com 13 há em Las Violetas e 9 há em Montevidéu, produzindo cerca de 90 mil garrafas por ano. Cinco variedades de uvas são mescladas para produzir muitos vinhos de estilos diferentes.  Um exemplo é a Albariño, que a família afirma ser a primeira a cultivar na América do Sul. Os vinhos de destaque, de boas colheitas, podem ser deliciosos, mas exigem tempo para amadurecer. A Bouza também faz um excelente varietal de Tannat, que mostra o que a variedade pode fazer no Uruguai. A vinícola possui um restaurante onde se saboreira a comida regional e onde também se pode provar e comprar vinhos de edição limitada.

Bodega Castillo Viejo

Com o apoio de vinicultores internacionais, três gerações da família Etcheverry conseguiram equilibrar a tradição com técnicas modernas. A propriedade Castillo Viejo ocupa 130 ha, com produção de 1,5 milhão de litros de vinhos por ano. Sua história moderna data de 1986, quando a família começou a converter seus vinhedos e plantou variedades francesas, a exemplo da Sauvignon Blanc, Chardonnay, Merlot, Tannat, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc. Ao mesmo tempo, introduziu novos equipamentos, desde prensas até máquinas para engarrafamento. Também foram introduzidos barris de carvalho francês e americano. Em 2008, os Etcheverry começaram a fazer a colheita à noite, a fim de melhorar a qualidades das uvas para abastecer a v inícola. Em 2005, foi criado El Preciado, um magnífico vinho de edição limitada. Apesar de todas as modificações, em geral, o estilo da casa manteve-se tradicional, com vinhos frutados, comedidos e de estrutura consistente.

Vinhos das Bodegas Ariano também participaram da degustação. Destaque para o delicioso Tannat-Syrah

Vinhos das Bodegas Ariano também participaram da degustação. Destaque para o delicioso Tannat-Syrah

Bodegas Ariano Hermanos

A vinícola Ariano Hermanos se orgulha de combinar a tradição europeia com as últimas tecnologias e os técnicos mais gabaritados. A propriedade produz 1,5 milhões de litros por ano e se encontra numa área de 100 há espraiada em duas regiões: Constancia em Paysandu e El Colorado, em Canelones. As duas se beneficiam do clima ameno – Constancia tem noite frias e dias ensolarados, enquanto El Colorado aproveita as brisas do Atlântico. A vinícola é um dos produtores com propostas mais avançadas do Uruguai, tendo reformado seus vinhedos com variedades francesas da mais alta qualidade. O trabalho está começando a ser rentável, como resultado de excelentes vinhos, a exemplo de Nelson Ariano Tannat, carro-chefe da empresa.

Vinhos Carrau, produzidos com uvas do Norte e do Sul do Uruguai

Vinhos Carrau, produzidos com uvas do Norte e do Sul do Uruguai

Bodegas Carrau

Na década de 1930, Juan Carrau chegou ao Uruguai com o plano de dar continuidade à tradição vitivinicultora de sua família catalã. O legado de Carrau para as gerações seguintes foi um dos mais antigos plantios de Nebbiolo e Tannat, situados ao Norte de Montevidéu, na região de Las Violetas, conhecida por seus solos ricos. Mais recente, outros vinhedos foram plantados 300 m acima do nível do mar, na região de Cerro Chapéu, onde há excelente drenagem e as uvas têm grande densidade. O vinho mais fino do catálago da Carrau é o Amat, um Tannat 100%, feito em homenagem ao patriarca da família: Francisco Carrau Amat (1790 – 1860). Apaixonada por cultura e educação, a empresa dedica as terças-feiras para visitas escolares à vinícola, de modo que as crianças possam começar a compreender o que é vinho, enquanto tomam suco de uva.

De Lucca está presente em vários países, inclusive no Brasil

De Lucca está presente em vários países, inclusive no Brasil

De Lucca

Reinaldo De Lucca, é uma das grandes figuras do vinho uruguaio. “El Tano” como é chamado, foi um dos pioneiros na reconstrução da indústria vinícola do Uruguai há mais de 20 anos atrás. A empresa dele fica a 30 km do litoral do Atlântico, com 50 há espalhados por El Colorado Chico e Progreso, no coração da região de Canelones, que está entre as áreas de viticultura mais antigas do país. Em termos de estilo, os vinhos tintos da De Lucca são tradicionais, com toque frutado elegante, com uma estável estrutura de taninos.

Diretoria do Establecimiento Juanicó - Familia Deicas - Uruguai em frente ao estande da Interfood

Diretoria do Establecimiento Juanicó – Familia Deicas – Uruguai em frente ao estande da Interfood

Establecimiento Juanicó

A família Deicas é dona e dirige o Establecimiento Juanicó desde 1979. Nesse tempo todo, seus membros se dedicaram a produzir vinhos da mais alta qualidade. Fizeram uma joint venture com Bernard Magrez, do Château Pape Clement de Bordeaux, a partir de 1999. A propriedade tem mais de 250 ha de vinhedos em Canelones, a principal área vinícola do Uruguai e é uma das vinícolas mais modernas do país. Tem capacidade para produzir 4,5 milhões de litros anuais usando tanques de aço inoxidável e concreto, e barris de carvalho francês e americano para amadurecer os vinhos. A Juanicó tem por objetivo conquistar o equilíbrio perfeito entre tradição e inovação.

Pisano Arretxea Tannat, Etxe Oneko e Axis Mundi - vinhaços representativos do que melhor se produz no Uruguai

Pisano Arretxea Tannat, Etxe Oneko e Axis Mundi – vinhaços representativos do que melhor se produz no Uruguai

Pisano

A vinícola Pisano foi instalada em solo calcário, na coração da região de Rio de La Plata. A proximidade da propriedade com o mar se traduz em grandes diferenças entre as temperaturas diurnas e noturnas; em compensação, isso dá muito mais intensidade ao sabor dos vinhos. A Pisano produz cerca de 380.000 garrafas por ano em pequenos lotes e o seu objetivo é elaborar vinhos de perfil europeu. O carro-chefe é o Pisano Arretxea Premium Grande Reserva – um corte de Tannat, Cabernet Sauvignon e Merlot, de colorido profundo, com espinha dorsal de taninos e toques intensos e complexos de fruta.  Importante agente no desenvolvimento da imagem do Uruguai no exterior como produtor de vinhos, a Pisano coloca seus produtos em mais de 35 países.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *