Quatro Sauvignons e um Albariño do Novo Mundo degustados na praia

img_8084_c

O primeiro (atenção os preços são os da época da aquisição dos vinhos): Mapema Sauvignon Blanc 2008 – Mistral – R$ 34,22 (2009) – No portal da Mistral consta que: “Elaborado com uvas de vinhas de quase 30 anos de idade, plantadas em pé franco a quase 1.200m de altitude, é um branco intenso e fresco, com cativantes notas florais. Uma pequena parcela do vinho (8%) é maturada em barricas de carvalho de segundo uso, deixando o branco mais exuberante e complexo.” Análise organoléptica: Exibiu cor típica da casta e no nariz aromas florais e de frutas brancas (pêra e melão) e pêssego sobre um fundo discretamente herbáceo. Na boca acidez firme, fruta evidente, álcool na medida e ausência de travo amargo, muito comum nos sauvignons platinos. Um vinho fresco e muito agradável, que termina redondo e sem arestas. Ótima relação preço-qualidade. Avaliação: 88/100 pts.

Vinho branco

O segundo: Leyda Sauvignon Blanc 2005 – Grand Cru – R$ 55,00 (2008)

Esse é um dos prediletos de quem escreve, porém, apesar de sua cor estar normal, o vinho já dava sinais de “cansaço” (talvez mal conservado), sem os tradicionais aromas de grama cortada e maracujá, apenas uma pontinha herbácea confirmada no palato, de médio corpo e discreto frescor com leve mineralidade. Mesmo assim, um vinho interessante, de bom corpo e de final satisfatório. Avaliação: 85/100 pts.

Vinhos brancos da degustação

Vinhos brancos da degustação

O terceiro: Vieja Parcela Reserva de la Família Sauvignon Blanc 2008 – WW – R$ 73,00 – O Uruguai ultimamente tem se destacado com seus brancos e este não é exceção. Análise organoléptica: palha claro quase translúcido. Aromas finos e delicados a confirmar a tipicidade da casta, com notas de pêssego, melão sobre um fundo floral. Na boa repete o nariz com leve toque herbáceo. Tudo no lugar certo, sem nenhum exagero. Fruta, acidez e álcool se entrelaçam harmonicamente e formam um conjunto onde o frescor dá o tom. Termina com discretíssimo amargor que não incomoda. Avaliação: 87/100 pts.

Vinhos brancos da Lusovini

           Vinhos brancos 

O quarto: Single Peak Sauvignon Blanc Malborough 2007 – Vinhos do Mundo – R$ 70,00 – Confirmou o favoritismo e ganhou a peleja. A Nova Zelândia é o país do Novo Mundo que mais se destaca com essa casta. Depois, somente o Chile consegue fazer alguma coisa parecida, mas acredito que em pouco tempo poderá rivalizar com o país integrante do “Commonwealth”. Análise organoléptica: palha com reflexos esverdeados. No olfato despontam aromas minerais, aspargos, grama cortada e maracujá. Na boca ratifica o nariz e exibe frescor cítrico elevado e não dá mostras de cansaço. Macio, suculento, redondo, persistente é um vinho guloso que justifica a fama da casta na Nova Zelândia. Ainda aguenta um ano na garrafa. Avaliação: 89/100 pts.

Todos os vinhos da degustação

Todos os vinhos da degustação

Na foto que ilustra este post, o quarto vinho da esquerda para direita é o Bouza, Albariño Uruguaio da Decanter, por R$ 81,30 que não foi degustado com os sauvignons, mas antes. Análise organoléptica: Amarelo palha. No nariz o ataque inicial é floral (flores brancas). Após, as frutas tropicais dominam o conjunto com maçã verde, pêra, pêssegos e mel. Na boca é denso, estruturado, fresco, intenso e longo. Álcool, acidez e fruta entrelaçados harmonicamente a resultar num vinho equilibrado de feição gastronômica (talvez bacalhau).Um vinho de notável tipicidade (há quem diga que não) que facilmente poderia ser eleito como o melhor branco cisplatino, todavia, prefiro fazer essa afirmação após provar outros brancos do país vizinho, que a cada ano vem surpreendendo seus admiradores. Tenho notícia de que confrontado com vinhos ibéricos fez bonito (enoeventos). Avaliação: 90/100 pts.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *