Condições da safra 2016 “empurrou” os produtores argentinos para o segmento de vinhos premium

Trapiche

Durante uma entrevista ao portal britânico The Drinks Business (DB) na Vinexpo, em Bordeaux, no mês passado, Duncan Keen, gerente de marketing do maior produtor de vinhos da Argentina – Bodegas Trapiche, afirmou que por ter sido extremamente pequena a colheita 2016 está acelerando o objetivo da Trapiche de vender vinhos nos segmentos de preços mais elevados, particularmente em países como o Reino Unido e EUA. “Esta foi a menor colheita da Argentina em 54 anos –  40% inferior à média – e neste ano também é pequena: nós não temos os números ainda, mas acreditamos que será entre 15-20% abaixo da média, porque quando as vinhas são duramente atingidas elas não recuperam os volumes no ano seguinte”, disse Duncan Keen, salientando que as geadas da primavera em Mendoza reduziram drasticamente os rendimentos no ano passado.

Trapiche Mdz

A produção baixa não foi um problema para a qualidade do vinho, disse Keen, descrevendo a qualidade da safra 2016 como “excelente”, eis que os rendimentos reduzidos garantiram uma maior concentração de qualidade nos vinhos. “E esta combinação de volumes baixos e alta qualidade significou para Trapiche uma aceleração para os planos que tínhamos para o segmento premium” afirmou. “Você poderia pensar que os volumes menores e aumento dos custos fosse um fato ruim, mas conseguimos tirar proveito disso”, disse, se referindo à decisão da Trapiche atingir segmentos de preços mais altos no varejo, bem como restaurantes. “As condições difíceis nos obrigou a acelerar o nosso caminho para o segmento premium”, acrescentou. Consequentemente, as Bodegas Trapiche tem centrado suas ações sobre os vinhos de preço FOB de mais de US$ 100, de acordo com Keen, que significa que essas garrafas tenham preço entre US$ 15-25 no varejo dos EUA  e cerca de £ 10 ou mais no comércio do Reino Unido.

Argentina x Chile

Comparando a posição da Argentina no mundo do vinho com o vizinho Chile, Duncan Keen disse a DB que a Argentina deve concentrar-se em produtos mais caros. “A Argentina não pode competir em preço com o Chile – o país tem muito mais acordos de livre comércio, por exemplo, o Chile não paga imposto sobre vinhos exportados para a China ou Europa, o que nós argentinos fazemos”, disse, acrescentando: “Nós acreditamos que a Argentina tem a necessidade estratégica de se qualificar para o segmento de vinhos premium”. Ele também disse que acredita que há uma grande oportunidade no momento para Argentina atuar no mercado com vinhos de preços mais elevados. “Há uma nova geração entrando no mercado de vinho de preços mais caros”,  sugerindo que as pessoas estão mais abertas a comprar esses produtos.

Ele também identificou chance de sucesso nos EUA devido ao aumento dos preços dos Cabernets Californianos, particularmente do Napa, nos restaurantes americanos, o que está criando espaço no mercado para o Cabernet de boa qualidade abaixo de US$ 25 – assunto já discutido aqui no DB – The Drink Business.

Então, voltando à sua atenção ao Reino Unido, ele disse que a Argentina arriscou-se a perder dinheiro se não conseguisse mudar de mercado. “Com a desvalorização da libra esterlina devemos focar o segmento premium; a Argentina a longo prazo não vai conseguir fazer dinheiro com vinhos abaixo de £ 5-6 no Reino Unido “, disse.

Trapiche Mar

Finalmente, Duncan Ken disse a DB que Trapiche está tentando conquistar sommeliers com mais projetos de vinificação em pequena escala. “Precisamos gerar mais consciência entre os sommeliers para os projetos de pequena escala da Argentina; são vinhos que irão surpreendê-los”, disse. Entre estes estão vinhos estão os da costa atlântica da Argentina, onde Trapiche tem cerca de 25 hectares de vinhedos em uma área chamada Chapadmalal, Província de Buenos Aires. Conforme relatado anteriormente por DB, Trapiche é a primeira empresa argentina a plantar vinhas na área quando se moveu para Chapadmalal oito anos atrás. Essas plantações são o primeiro projeto vitivinícola no litoral argentino.

Para tornar mais fácil o conhecimento desses vinhos argentinos de menor volume de produção e mais raros pelos sommeliers da Europa, a Trapiche começou a vender diretamente alguns desses produtos para essa comunidade de profissionais que está conservando os vinhos num armazém na Alemanha.

Fontes: https://www.thedrinksbusiness.com/2017/07/vintage-conditions-push-argentine-wine-producers-to-premiumise/ e https://www.thedrinksbusiness.com/2015/04/argentina-to-try-albarino-in-coastal-vineyard/

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *