O Wine Day Qualimpor 2017 ocorreu em São Paulo no primeiro semestre do corrente ano, mais precisamente no dia 25 de maio. Na oportunidade fomos gentilmente recebidos pelo representante da Quinta do Ameal, que teceu considerações sobre os vinhos elaborados por essa prestigiada Quinta, a qual transcrevemos algumas linhas – “A Quinta do Ameal, de Pedro Araújo, é uma séria representante da região de Vinho Verde. Ela se concentra na qualidade, numa região mais associada aos brancos baratos. Está localizada em Lima, sub-região de Vinho Verde onde impera a Loureiro e é uma grande defensora dessa variedade. O rendimento relativamente baixo que Araújo consegue dessas videiras explica a concentração maior e o equilíbrio dos vinhos que ele produz. São feitas apenas 60.000 garrafas anuais que são brilhantes. O Escolha é fermentado e amadurecido por seis meses em barrica de carvalho francês, com notas minerais e cítricas, amplo, com textura de carvalho. O Loureiro amadurece em aço inoxidável e revela agradável frutado de limão e pêra, com leves notas minerais”.  Fonte: O Grande Livro dos Vinhos – 1a. Edição – Publifolha – 2012.

Bico Amarelo Vinho Verde 2016 – palha brilhante translúcido. Muita fruta tropical nos aromas – maçã e pera principalmente sobre um fundo mineral. Na boca verificamos a plena subscrição das sensações olfativas. Macio, cítrico, fresco (boa acidez), leve e mineral. Corpo médio e final harmonioso, de média persistência. Avaliação: 88-89/100 pts.

Quinta Ameal Loureiro 2005 Álcool: 11,5% – concentração, frescura, harmonia, equilíbrio e longevidade. Assim resumimos este branco envolvente, profundo, que só ganha com o tempo na garrafa e de nítida vocação gastronômica. – Avaliação: 90/100 pts.

Ameal Solo 2014 – Álcool: 11% – curioso e intrigante branco que não utiliza SO2 – Sulfuroso e que tem fermentação livre sem controle de temperatura. Orgânico, exibiu cor límpida, brilhante, translúcida. Nos aromas chamou atenção pela complexidade. No paladar sua concentração e profundidade são dignas de nota. Alterna notas minerais e cítricas. Um branco de exceção, de grande envergadura, de sabor vivo, cheio, maduro e vigoroso. Termina persistente, constituindo-se num verdadeiro arquétipo da Loureiro. Avaliação: 91-92/100 pts.

 

Em termos de amplitudes térmicas a sub-região do Lima está numa posição intermediária relativamente às restantes sub-regiões dos Vinhos Verdes. No entanto, é onde a precipitação atinge valores mais altos. A altitude a que a vinha se encontra plantada é variável e aumenta do litoral para o interior, onde o relevo é também mais irregular, originando alguns microclimas no interior do vale do Lima, existindo por vezes referências a Baixo Lima e Alto Lima. Tal como na Sub-região do Cávado, além dos solos graníticos, existe uma faixa de solos xistosos, não sendo no entanto sua abrangência significativa. Os vinhos brancos mais afamados desta Sub-região são produzidos a partir da casta Loureiro. Os aromas são finos e elegantes e vão desde o citrino (limão) até ao floral (rosa). As castas Arinto e Trajadura encontram-se também bem disseminadas neste local, pois adaptam-se bem a climas amenos influenciados pelos ventos marítimos. Os vinhos tintos são produzidos principalmente a partir da casta Vinhão e Borraçal. Habitualmente, é nas zonas mais interiores desta sub-região que os vinhos apresentam um melhor potencial, devido às condições climáticas que condicionam à maturação. Fonte: CVRVV

(Visited 52 times, 55 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *