Por Míriam Aguiar 

 

Estrada reta, rodeada por planícies com leves colinas e um horizonte amplo. O clima é predominantemente úmido e os solos variados. Um cheiro de assado no ar e muitas garrafas de mate nos remetem aos pampas e aos rios e nações que formam a Bacia do Prata. Estamos ao sul do nosso sul e o que mais o denuncia é esta taça de vinho tinto cor violeta intenso, de perfume discreto, quase austero, que nos convida a saber a que veio. O país é o Uruguai e a cepa faz promessa de vida longa ao vinho e a quem o consome!

Vista Aerea

Tannat, de tanin (tanino em francês) está  presente em território uruguaio desde 1870, mas foi apenas em 1970 que essa sua identidade francesa foi descoberta. Até então, era identificada como harriague, nome cunhado de Pascual Harriague, que a trouxe do país basco para a América do Sul. A sua origem é do sudoeste francês, mais especificamente da região de Madiran, mas só a partir dessa descoberta é que a casta que mais se naturalizou uruguaia passou a ser chamada de tannat. Mas como ignorar 100 anos de construção de um terroir e a alma “harriague” do tannat uruguaio?

 Tannat Parcelas / Uvas Irurtia
Tannat Parcelas / Uvas Irurtia

É ali que essa casta, riquíssima em taninos, uma das mais altas em taxas de resveratrol e flavonóides, encontrou seu habitat e afirma contestar o estereótipo de fazer vinhos rudes, pesados, indelicados. Como explicar isso? Além dos progressos da enologia nos últimos 15 anos, segundo os seus produtores, o clima mais temperado, associado à tendência à maturação tardia da casta, viabiliza o desenvolvimento lento e controlado dos polifenóis em camadas de taninos mais delicados ? tornando-a menos austera e capaz de fazer vinhos aptos para o consumo jovens.

Seleção de uvas
Seleção de uvas

Localizado entre os paralelos 30° e 35° de Latitude Sul, dentro da clássica zona da produção mundial de vinhos finos, cerca de 30% dos vinhos do país são feitos com a tannat, em mesclas ou varietais. Em 1980, iniciou-se uma reconversão dos vinhedos e a modernização da elaboração dos vinhos, além da inserção de novas castas. Grande parte das uvas são francesas, especialmente merlot e cabernet sauvignon para tintos e sauvignon blanc e chardonnay para brancos.

 Playa del Cerro - Montevideo
Playa del Cerro – Montevideo

Com uma superfície de 176.220 Km2, quase 3,4 milhões de habitantes apenas, dentre os quais 1,8 milhões habitam a Montevidéu metropolitana, o Uruguai se destaca por altos índices de inclusão social e econômica em relação aos demais países da América Latina. Ultimamente, o enoturismo para brasileiros se intensifica, com muitas promoções das companhias aéreas.

 Espumante da uva tannat, produzido pela Pisano
Espumante da uva tannat, produzido pela Pisano

Outra grande atração é a gastronomia, com as famosas parrilladas e cordeiros ? acompanhamentos perfeitos para o tinto tannat. Além disso, a sauvignon blanc dá vinhos deliciosos no Uruguai, ricos em aromas de frutas cítricas maduras, maçã verde e maracujá, que fazem ótima companhia aos seus pescados.

O sauvignon blanc da Pizzorno é delicioso!
O sauvignon blanc da Pizzorno é delicioso!

Há vários restaurantes e até mesmo um hotel emblemático em Montevidéu, o MySuites,  onde cada um dos 10 andares é ambientado por uma vinícola. Alugando um carro, pode-se visitar a região de Canelones, próxima de Montevidéu, onde se concentram 70% da produção de vinhos. Ali está a Familia Deycas Juanicó, uma das líderes do mercado de vinhos uruguaio, cujo ícone é o Preludio e a linha de batalha a Don Pascual.

mysuites fachada

Próximo a cidade de Las Piedras, estão algumas bodegas, dentre elas, a Montes Toscanini, com uma seleção de vinhos premiados. Temos também vinícolas das gerações descendentes da imigração italiana, como a Pisano Artesania e Viños Finos, a Pizzorno Family States e a Bodega De Lucca. Há ainda a  Castillo Viejo, que produz o rótulo Catamayor, bem difundido no Brasil.

Família Pisano
Família Pisano

Um passeio imperdível, a 39 km de Montevidéu, é a visita à Bouza Bodega Boutique, um projeto grandioso de revitalização de uma vinícola em 2002 para a construção de um espaço que inclui bodega, restaurante, paisagem e um inusitado museu de carros antigos.

Bodega Bouza
Bodega Bouza

Muito bom gosto, boa comida e bons vinhos, não só de tannat, mas também de castas diferenciadas, como a albariño e a tempranillo. Outra vinícola de boutique inovadora, pouso para curtir natureza e enogastronomia é a Viñedos de los Vientos, próxima da cidade-balneário Atlantida.

Bouza_Albarino_2012

Quase na fronteira com o Brasil, no extremo norte, a 10 km da cidade bi-nacional Rivera/Santana do Livramento, encontra-se a Bodega Carrau, uma das pioneiras na construção do prestígio internacional do vinho uruguaio. A sudoeste, ao lado da encantadora cidade de Colonia del Sacramento, Patrimônio da Humanidade pela Unesco, há também vinicultura, como na centenária bodega de Dante Irurtia, junto ao Cerro de Carmelo.

Músicos na Bodega Irurtia
Músicos na Bodega Irurtia

À medida que a enologia se renova, surgem novas regiões de exploração, como Garzon e Pan de Azúcar, situadas no Distrito de Maldonado, próximos à badalada península uruguaia Punta del Este. As áreas de produção estão bem próximas ao oceano, com leve altitude e se caracterizam por um clima mais arejado e úmido, favorável a experiências com castas como syrah, merlot e cabernet franc. Esse perfil de vinho mais fresco, tocado pela corrente marítima, poderá ser conferido na Bodega Viñedos de Alto de La Ballena, a cerca de 30 Km de Punta del Este.

Alto Ballena
Alto Ballena

O uruguaio é um povo amigo, acolhedor, com certa circunspecção, assim como o seu vinho. O país não é nenhum paraíso do consumo, mas nos permite boas experiências enogastronômicas e a introdução aos seus vinhos, que cada vez mais se aproximam do universo brasileiro.

Fotos: Miriam Aguiar, Divulgação Vinícolas e domínio publico

Sobre Autora: Míriam Aguiar é pesquisadora do mercado de vinhos, com Doutorado na USP e Pós-doutorado na UMR Innovation Montpellier, autora de livro e artigos sobre o tema e editora do Blog "Os vinhos que a gente bebe"
Sobre Autora: Míriam Aguiar é pesquisadora do mercado de vinhos, com Doutorado na USP e Pós-doutorado na UMR Innovation Montpellier, autora de livro e artigos sobre o tema e editora do Blog “Os vinhos que a gente bebe”
(Visited 153 times, 153 visits today)

One thought on “Saúde, com Tannat!”

  1. Excelente presentación de los vinos y bodegas de Uruguay, con sus diferentes y hermosas regiones, con sus muy buenos vinos. Fruto del esfuerzo y entusiasmo de familias dedicadas al cultivo la vid. Gracias Miriam Aguiar por esta dedicatoria a nuestro país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *