Na “Rota de Vinhos da Montanha” a próxima vinícola a ser conhecida foi a Família Geisse. Sediada no município de Pinto Bandeira, essa vinícola oferece o programa “Geisse Experience” – que para este redator implicou numa degustação orientada pelo enólogo seguida de almoço no dia 02.02.2018 no Open Lounge com típicas empanadas chilenas artesanais harmonizadas com espumantes. Além de produzir espumantes brasileiros de fama internacional,  o Enoturismo é um dos principais focos dessa vinícola gaúcha, como se verá adiante.

Chileno radicado no Brasil desde 1976, Mario Geisse é um dos enólogos mais respeitados em nível mundial, sendo considerado um dos grandes responsáveis pela evolução da vitivinicultura na América do Sul. Crédito da imagem: blogdojeriel.jpg
Cave Geisse Terroir Nature é o principal espumante da casa – blogdojeriel.jpg

Algumas linhas para a Família Geisse –

“Situada na bonita Serra Gaúcha, a Cave Geisse foi criada pelo imigrante chileno Mario Geisse, que ao chegar ao Brasil, tinha a tarefa de produzir vinhos espumantes para a Chandon brasileira. Geisse logo percebeu o enorme potencial da área para esse tipo de vinho e mudou-se para o então Distrito de Pinto Bandeira, município de Bento Gonçalves. No vinhedo da Cave Geisse, a maior parte do plantio é de variedades Pinot Noir e Chardonnay para champanhes. A tecnologia adotada aqui também reflete a região francesa de Champagne, resultando em alguns dos melhores vinhos espumantes do Brasil.” – Fonte: O Grande Livro dos Vinhos – 1a. Edição – Publifolha 

Daniel Geisse

Ao chegar na vinícola,  a recepção ficou por conta  de um dos três filhos de Mario Geisse: o animado e falante Daniel Geisse, que foi logo tecendo considerações sobre alguns dos fatores de êxito dos espumantes Geisse em Pinto Bandeira – RS:

a) acidez alta.

b) açúcar baixo.

c) solos bem drenados.

b) solo basáltico de origem vulcânica. Aqui Daniel salientou que “o solo basáltico vulcânico muito antigo, fragmentado e bem drenado, fazendo com que toda água vá direto para o lençol freático”.  A altitude e o subsolo da região fazem a diferença.

Produzido com uvas de safra considerada excepcional na Serra Gaúcha na década passada, o Cave Geisse Brut Magnum 2002 é comercializado por R$ 800 na vinícola

O Enólogo Carlos Abarzua informou que em poucos anos Pinto Bandeira será a primeira “Denominação de Origem” da América Latina, focada na produção de espumantes de caráter restritivo, todos pelo método tradicional, com as variedades Chardonnay e Pinot Noir.

 

Deliciosas empanadas “Doña Margarita” à moda chilena são elaboradas pela matriarca da família Geisse – blogdojeriel.jpg

A vinícola Geisse não compra uvas de ninguém – seus vinhedos são 100% próprios possuindo 25 hectares de área demarcada numa altitude de cerca de 800 metros sobre o nível do mar. Focada na sustentabilidade, sem utilizar agrotóxicos, o cuidado na elaboração dos espumantes é tanto que as uvas mais ácidas de um talhão por exemplo, vão sempre para um mesmo tanque o que assegura a qualidade da matéria-prima utilizada. A produção total é de cerca de 300.000 garrafas anuais. Amostras são enviadas periodicamente para os principais críticos  dos EUA e Inglaterra para avaliações. A Vinícola Geisse procura aliar a utilização de alta tecnologia na elaboração de seus espumantes exclusivamente pelo método tradicional. O mosto-flor (vinho base), importante na preservação dos aromas por impedir a realização antecipada da fermentação, é preservado numa câmara fria. As uvas são cuidadosamente levadas para a vinificação de modo que não ocorra a prensagem durante o transporte – porque dentro da propriedade os veículos não passam por”lombadas”.  Nos primeiros quinze dias de 2018  todas uvas já estavam colhidas. É bom destacar que somente uvas totalmente maduras com o pleno desenvolvimento de sua maturação fenólica são utilizadas na elaboração dos espumantes.

O vinho-base utilizado na elaboração de qualquer espumante Geisse é provado por sete provadores – conhecidos por “zeladores lineares de qualidade” e só são aprovados por unanimidade. Já na elaboração do espumante mais festejado da casa – o “Terroir Nature”, atuam três enólogos que utilizam uvas de apenas 5% dos vinhedos. Cerca de um milhão de garrafas de espumantes Geisse de diversos estilos estão armazenados nas caves da vinícola com uma média de guarda de 3 meses.

Enólogo Carlos Abarzua – enólogo do ano em 2017, Abarzua é praticamente uma referência entre os principais enólogos em atividade no Brasil,com mais de 30 anos elaborando espumantes pelo método tradicional – blogdojeriel.jpg

Degustação Orientada por Carlos Abarzua – 

O enólogo salientou que as uvas ideais para a elaboração de espumantes, normalmente tem baixo teor de álcool e alta acidez. Maduras e de coloração amarronzada, a ausência de amargor ou qualquer outro defeito é um pressuposto para qualquer vinho-base, eis que numa segunda fermentação esse defeito se acentuará. O vinho tem que transmitir uma sensação de “boca limpa”.  A seguir impressões sobre os vinhos degustados, todos da safra 2018:

 

Degustação vinho-base da safra 2018 – blogdojeriel.jpg

Chardonnay 100% – Blanc de blancs – coloração esbranquiçada. Aromas complexos: pera, papaia e pêssego. Alta acidez, bom volume, refrescante, salivante, dotado de grande vivacidade, sem amargor.

Pinot Noir 100% – Blanc de Noir – ligeiramente turvo, rosado, aromas florais, alta acidez, pouco grau alcoólico e no paladar, muita maciez e elegância, sem perder força.

Pinot Noir (70%) e Chardonnay (30%) – Blend de aromas complexos, paladar com bom volume onde o frescor e a complexidade gustativa se destacam.

Cave Geisse Terroir Nature 2018 – o expoente da vinícola também pode ser provado. Trata-se de um blend de variedades (dominado por 70% de Pinot e o restante de Chardonnay) de um vinhedo único. De coloração palha esverdeado, nos aromas o acento mineral ficou evidente, com toques salinos e frutados. Paladar no mesmo diapasão, mastigável, denso, potente e muito ácido, dotado de apenas 11% de álcool, parece mais encorpado do que de fato é. Está na fase final da fermentação, portanto, não está pronto para ser comercializado.

Cave Geisse Rosé Brut Método Tradicional – Álcool: 12% – Preço: R$ 97,90 – Região: Pinto Bandeira/Serra Gaúcha – espumante elaborado exclusivamente com Pinot Noir, permaneceu vinte e quatro meses de guarda junto a suas lias dentro da garrafa. Análise organoléptica: cereja límpido e brilhante. Perlage persistente com borbulhas de tamanho diminuto. Aromas complexos com notas de frutas vermelhas maduras – destaque para cerejas e morangos. Na boca, é seco sem ser austero. Sua entrada revelou um efervescente macio, potente, cuja acidez plena preenche o paladar. Corpo médio, delicado. Termina persistente, com destaque para seu frescor a evocar as sensações gustativas iniciais. Avaliação: excelente

Cave Geisse Nature 2015 – Álcool: 12,5% – preço médio: R$ 92,90 – é uma mescla de Chardonnay (70%) e Pinot Noir (30%). Teve dois anos de guarda junto a suas lias dentro da garrafa. É a versão pura de um excelente espumante método tradicional. Análise organoléptica: amarelo-palha brilhante. Perlage intenso e duradouro. Aromas complexos com notas minerais, leveduras e frutas secas. Na boca é rico, discretamente cítrico, de bom volume, encorpado, fresco, com acidez pulsante, equilibrada. Como é  seco (sem adição de açúcar), é bom para comida, possibilitando um sem-número de harmonizações que é a verdadeira finalidade para a qual foi concebido. Avaliação: excelente

Cave Geisse Extra Brut Método Tradicional 2014 – Álcool: 12% – Região: Pinto Bandeira/Serra Gaúcha – preço: R$ 115 – espumante elaborado com Chardonnay e Pinot Noir em partes iguais, permaneceu trinta e seis meses de guarda junto a suas lias dentro da garrafa. Análise organoléptica: amarelo dourado com perlage persistente. Nariz elegante notas de flores brancas, brioches, tostados e castanhas. Paladar denso, cremoso e de longa persistência, demonstrando as características de elegância e finesse da Pinot Noir. Avaliação: excelente

Cave Geisse Blanc de Blancs é um dos principais espumantes da vinícola Geisse. Blogdojeriel.jpg

Cave Geisse Blanc de Blanc Brut Método Tradicional – Álcool: 12,5% – Região: Pinto Bandeira/Serra Gaúcha – preço: R$ 115 – espumante elaborado exclusivamente com Chardonnay, permaneceu trinta e seis meses de guarda junto a suas lias dentro da garrafa. Análise organoléptica: amarelo-palha esverdeado, com perlage intenso, fino e persistente. No nariz exibiu um verdadeiro caleidoscópio de aromas, começando nas flores brancas, passando pelas frutas cítricas, terminando nos tons defumados, tudo isso com sustentação na flûte. No paladar, subscreveu plenamente as sensações olfativas com muita delicadeza e finesse. A perfeita conjugação de mineralidade com toques cítricos encerram um conjunto apetecível, de destacado frescor e cremosidade final. O preferido deste redator! Avaliação: excelente+

 

 

ENOTURISMO:

As fotos abaixo são do “Espaço Zen”. Aqui o visitante poderá vivenciar uma experiência dentro da propriedade “Terroir Geisse” a bordo de um 4×4 que o levará para conhecer os vinhedos e seus arredores, acompanhado de um guia que mostrará todos detalhes. O passeio inclui um brinde em meio à natureza e tem duração de 1h30min.

No “Open Lounge”, o visitante poderá desfrutar dos sons da natureza em um agradável ambiente, acompanhado de saborosas empanadas artesanais chilenas “Doña Margarita” (queijo, gorgonzola com cebola, carne, espinafre, carne de panela e espinafre) harmonizada com um refrescante espumante da Família Geisse, música e finger foods (R$ 48 é o preço da garrafa do espumante Cave Amadeu Brut, o segundo mais barato da vinícola e o Terroir Nature, o mais caro, custa R$ 170), compõem essa deliciosa trilogia. A seguir imagens:

CONCLUSÃO –

Além da decantada qualidade dos espumantes, a vinícola Família Geisse se situa num lugar repleto de belas paisagens que compõem o seu terroir, sendo, provavelmente, uma das vinícolas brasileiras mais preparadas para o Enoturismo. Por exemplo: numa das opções de visita, o turista poderá descobrir os detalhes do cuidadoso processo de elaboração de espumantes pelo método tradicional (o mesmo utilizado na elaboração dos famosos champagnes franceses) e degustar espumantes elaborados por craques no assunto. Na outra opção, o visitante a bordo de um 4×4 de origem norte-americana, de pequeno tamanho mas muito robusto, atravessará vinhedos e mata virgem através de uma antiga “picada” aberta pelos primeiros imigrantes italianos que se instalaram na região, com destino a um dos setores mais bonitos e bucólicos da propriedade: o “Espaço Zen” composto de rio, lago, cachoeira, área de descanso, tudo cuidadosamente preparado para o visitante desfrutar, mais uma vez, dos badalados espumantes produzidos na propriedade. Enfim, a visita a essa vinícola é altamente recomendada, uma vez que o seu grau de especialização e preparo no Enoturismo privilegia a experiência do visitante, tornando-a singular.

Da esquerda para a direita: Daniel Geisse, Rodrigo Geisse, Mario Geisse, Ignácio Geisse e Carlos Abarzúa – crédito da imagem: blogdojeriel.jpg

 

SERVIÇO –

Vinícola Família Geisse

Linha Jansen, s/n – Zona Rural, Pinto Bandeira – RS,  Cep 95700-000 –

Reservas através dos telefones +55 54 3455.7461/3455.7462

(Visited 145 times, 148 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *