Em Portugal, a Fundação Eugênio de Almeida é uma instituição de direito privado e utilidade pública, sediada em Évora. Os seus estatutos foram redigidos pelo próprio fundador, o Eng. Vasco Maria Eugênio de Almeida, Conde de Villalva, quando da sua criação em 1963. A missão institucional da Fundação concretiza-se nos domínios cultural, educativo, assistencial, social e espiritual, visando o desenvolvimento e elevação da região de Évora. A produção obtida nas vinhas é vinificada num local histórico e sagrado, a Adega da Cartuxa, situada na Quinta de Valbom em Évora. A adega está instalada num edifício que pertenceu à Companhia de Jesus em 1580 e que na época era a sua casa de repouso. Com a expulsão dos jesuítas de Portugal pelo Marquês de Pombal, este edifício foi integrado aos Bens Nacionais em 1755. No ano seguinte, já funcionava no local um importante lagar de vinho que absorvia a produção vinícola da região. Em 1869 o edifício foi vendido em haste pública e adquirido por José Maria Eugênio de Almeida, avô do Eng. Vasco Maria Eugênio de Almeida. Próximo à Adega da Cartuxa, fica o bonito Mosteiro da Cartuxa de Santa Maria Scala Coeli, fundado em 1587 e que retomou em 1960 a atividade religiosa contemplativa, depois de vultosas obras de restauro empreendidas pelo Conde de Villalva. No silêncio das caves deste Mosteiro, vários vinhos da Fundação fazem o seu estágio em garrafa.

Degustação –

Cartuxa Reserva 2011 – Variedades: Alicante Bouschet e Aragonez – Preço médio R$ 350 (safra 2012) – um dos Alentejanos mais conhecidos no Brasil, amadurecido 15 meses em barricas novas de carvalho francês acrescidos de mais 12 meses na garrafa antes de sua liberação ao mercado. Análise organoléptica: bonita e sedutora cor violácea com reflexo na púrpura nas bordas, no olfato apresentou aromas complexos e apetecíveis num perfil aromático no qual prevalecem típicas notas de groselha, cereja e framboesa. Especiarias, tabaco e leve nota defumada integram o conjunto. Na boca, além da subscrição total dos aromas, é um vinho “clássico que se modernizou” segundo o respeitadíssimo crítico português Rui Falcão. Taninos aveludados, acidez viva, fruta copiosa, muita vida pela frente num final elegante e sedoso. Fresco, tânico (excelente qualidade), equilibrado. Um vinho cuja presença nas melhores adegas é indispensável. De fato, estamos diante de um dos tintos que representam com autenticidade o Alentejo. Um verdadeiro “Ex-Libris”. Avaliação 92/100 pts.+

(Visited 126 times, 126 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *